IGCP cancela leilão de dívida. Traders falam em excesso de liquidez

Portugal previa ir ao mercado esta manhã para se financiar até 1.250 milhões de euros. IGCP cancelou operação sem adiantar razões. Operadores falam em situação de liquidez confortável.

Portugal previa ir ao mercado esta quarta-feira para se financiar até 1.250 milhões de euros, através de um duplo leilão de dívida de curto prazo, mas cancelou a operação sem que o IGCP tenha adiantado as razões para o cancelamento. Os operadores do mercado falam em excesso de liquidez.

“O IGCP confirma que o leilão de Bilhetes do Tesouro previsto no programa de financiamento para o quarto trimestre para esta quarta-feira, dia 21 de outubro, não se realizou e que o devido anúncio de cancelamento foi comunicado aos operadores de mercado na passada sexta-feira, dia 16”, adiantou a agência que gere a dívida pública em declarações ao ECO. “Este procedimento encontra-se previsto na instrução nº1/2015 e circunstâncias análogas verificaram-se no passado, concretamente em 2019″, acrescenta o IGCP, liderado por Cristina Casalinho.

Em causa estava um leilão de títulos a três e 11 meses, numa operação através da qual o IGCP previa um financiamento da República entre 1.000 milhões e 1.250 milhões de euros, conforme previa, de forma indicativa, o programa de financiamento para o último trimestre do ano.

A instrução citada pelo IGCP prevê que o calendário indicativo dos leilões a realizar possa “ser periodicamente ajustado à evolução das necessidades e à correspondente estratégia de financiamento”.

Operadores do mercado citados pela agência Reuters recordam que o recente sucesso de Portugal na emissão de dívida aos custos mais baixos de sempre poderá significar que dispõe de uma situação de liquidez confortável, razão pela qual não terá necessitado de emitir mais títulos de dívida.

De acordo com o IGCP, Portugal tem nova ida ao mercado agendada para 18 de novembro, para um duplo leilão de bilhetes a 6 e 12 meses em que prevê um empréstimo entre 1.000 milhões e 1.250 milhões de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

IGCP cancela leilão de dívida. Traders falam em excesso de liquidez

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião