Governo paga 35 milhões para comprar 100 mil frascos de remdesivir

O Governo autorizou a Direção-Geral da Saúde a gastar 35 milhões de euros na aquisição de remdesivir. Cada frasco custa 345 euros.

O Governo autorizou a Direção-Geral da Saúde a gastar cerca de 35 milhões de euros na aquisição de mais de 100 mil frascos do medicamento Veklury, o designado remdevisir, no tratamento de alguns casos de doença por Covid-19.

“Estão em causa 100 mil frascos deste medicamento com custo unitário de 345 euros. É uma despesa que irá importar uma despesa ao SNS no valor de 35 milhões de euros“, anunciou a ministra da Saúde, Marta Temido.

A utilização do remdevisir é aconselhada, em contexto de Covid-19, em doentes adultos e adolescentes com pneumonia, que necessitam de oxigénio suplementar e de acordo com cada caso clínico determinado pelo médico, explicou Temido

A aquisição será feita através de contrato específico a celebrar ao abrigo do contrato-quadro de aquisições conjuntas celebrado entre a Comissão Europeia e a empresa farmacêutica Gilead Sciences.

“Aquilo que Portugal assumiu é aquisição para necessidades dos nossos doentes para o período de outubro 2020 a março de 2021”, referiu a ministra.

O comunicado do Conselho de Ministros que aprovou esta despesa refere que a aquisição dos 100 mil frascos de remdevisir garantirá a “manutenção do stock nacional deste medicamento, sem prejuízo da ponderação dos fatores da evolução da pandemia e dos eventuais progressos na abordagem terapêutica da Covid-19”.

Além desta despesa de 35 milhões, o Governo aprovou a dispensa de taxas moderadoras no valor de 96 milhões de euros. A nova dispensa “produz efeitos a partir de 1 de janeiro de 2021, relativamente aos exames complementares de diagnóstico e terapêutica prescritos no âmbito da rede de prestação de cuidados de saúde primários e realizados fora do SNS”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo paga 35 milhões para comprar 100 mil frascos de remdesivir

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião