Cortes de pessoal e balcões serão “chave” para Montepio regressar aos lucros, diz a Fitch

Montepio tem em curso reestruturação que passa pela saída até 900 trabalhadores e o fecho de 80 agências. Fitch diz que cumprir plano será "chave" para o banco voltar aos lucros não antes de 2021.

A Fitch considera que a execução do plano de reestruturação, que passa pelo fecho de 80 balcões e a saída de 600 a 900 trabalhadores nos próximos anos, será “chave” para o Banco Montepio regressar aos lucros.

“A capacidade da gestão de cumprir o plano de eficiência operacional (fecho de balcões e redução do quadro) será chave para restaurar a rentabilidade através de uma redução do rácio cost-to-income“, sublinha a agência de notação financeira numa nota publicada esta sexta-feira e onde dá conta da manutenção do rating do banco em “B-“.

O Banco Montepio registou prejuízos de 50 milhões de euros no primeiro semestre face aumento das provisões para responder à crise da pandemia e não deverá voltar a ter lucros nem este ano nem no próximo, tendo em conta as condições económicas adversas do país e as próprias limitações do banco que não lhe dão outra alternativa senão reestruturar, diz a Fitch.

“Além dos baixos buffers de capital, o banco tem uma capacidade limitada para gerar capital organicamente tendo em conta o seu elevado nível de ativos problemáticos (…) e a baixa rentabilidade operação. O banco, portanto, entrou na crise numa posição fraca, deixando-o com opções estratégicas muito limitadas, uma vez que terá de dar prioridade a medidas de remediação de capital e uma profunda reestruturação da sua rede comercial para melhorar a eficiência operacional“, dizem os analistas.

A Fitch antecipa uma deterioração da qualidade do crédito devido à “severa contração económica em 2020 e ao aumento material do desemprego”. Ainda assim, o aumento dos créditos em incumprimento deverá ser “mitigado” no curto prazo por causa da “generosa” moratória do Governo que permite uma suspensão do pagamento dos empréstimos até final de 2021.

“Também esperamos que o Banco Montepio venha a agir no sentido de mitigar o impacto do aumento do malparado nos próximos 18-24 meses, o que, se for bem executado, poderá evitar um aumento acentuado do rácio de malparado”, frisa a agência. “Não esperamos que o rácio de malparado suba materialmente para níveis acima dos 15% no final de 2021”, estima a Fitch.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cortes de pessoal e balcões serão “chave” para Montepio regressar aos lucros, diz a Fitch

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião