Atividade económica cai na zona euro em outubro devido ao agravamento da pandemia

  • Lusa
  • 23 Outubro 2020

Esta tendência "levanta a possibilidade de que a economia da zona euro possa voltar a contrair-se no quarto trimestre", alerta a Markit.

A atividade comercial na zona euro contraiu-se em outubro, arrastada pelo setor dos serviços devido ao agravamento da pandemia da covid-19, pondo fim a três meses consecutivos de crescimento, anunciou esta sexta-feira a consultora Markit.

A estimativa ‘flash’ do índice composto PMI (Purchasing Managers’ Index) da atividade total na zona euro publicado hoje pela empresa de consultoria Markit foi de 49,4 pontos em outubro, abaixo de 50 pontos que separa o crescimento do declínio e menos um ponto do que em setembro.

Embora o índice esteja apenas um ponto abaixo do verificado em setembro e longe dos mínimos registados na pior altura da pandemia, a Markit adverte que esta tendência “levanta a possibilidade de que a economia da zona possa voltar a contrair-se no quarto trimestre”.

A atividade empresarial foi prejudicada pelo fraco desempenho do setor dos serviços, que caiu pelo segundo mês consecutivo devido à “preocupação” com a pandemia, e não pôde ser compensado pela aceleração da produção industrial, que registou os melhores dados desde fevereiro de 2018.

O emprego caiu pelo oitavo mês consecutivo, embora a um ritmo mais moderado do que no pior momento da pandemia, devido à sobrecapacidade das empresas face à redução das encomendas pendentes, que coincidiu com uma nova descida dos preços médios cobrados.

Olhando para o futuro, as expectativas de atividade nos próximos 12 meses caíram para o seu nível mais baixo desde maio, tanto no setor transformador como, especialmente, no dos serviços.

A atividade na Alemanha registou um novo crescimento em outubro, mas a um ritmo ligeiramente mais lento devido aos serviços, enquanto em França registou uma deterioração pelo segundo mês consecutivo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Atividade económica cai na zona euro em outubro devido ao agravamento da pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião