Fitch mantém ratings da banca nacional com perspetivas negativas

Agência de notação financeira manteve os ratings de Caixa, BCP, Santander Totta, BPI e Montepio. Todos os bancos estão sob perspetiva negativa.

A Fitch manteve os ratings da banca nacional, com Caixa Geral de Depósitos (CGD), BCP, Santander Totta, BPI e Montepio a continuarem com um “outlook” negativo, o que significa que poderão ser algo de um “downgrade” nos próximos meses, segundo várias notas emitidas esta semana.

Santander Totta e BPI, detidos por grupos espanhóis, são os bancos que mantêm os ratings mais elevados na praça nacional. A Fitch atribui um rating de “BBB+” ao Santander Totta, enquanto o BPI surge um nível abaixo com um rating de “BBB”. A agência dá conta de que existe “uma elevada probabilidade” de os bancos contarem com ajuda das casas-mãe em caso de necessidade.

Já esta quinta-feira a Fitch manteve os ratings da CGD e do BCP. Ao banco público atribui uma notação de “BB”, um nível abaixo do patamar de “investimento de qualidade”. O rating do BCP está um nível abaixo: “BB”.

Em relação à CGD, a Fitch diz que o banco registou melhorias “significativas” na capitalização, eficiência operacional e na qualidade dos ativos, conferindo margem para enfrentar o impacto da crise pandémica em termos de redução da rentabilidade e aumento do risco do crédito. Em relação ao BCP, a agência destaca que o banco melhorou “significativamente” a qualidade dos ativos face a 2016, criando uma almofada capaz de absorver um aumento do crédito malparado em Portugal e na Polónia.

O Banco Montepio é quem apresenta o rating mais baixo de todos: “B-“. É considerado um investimento especulativo, com a Fitch a sublinhar a capacidade “limitada” do banco para fazer face a uma redução da rentabilidade, ao aumento dos riscos em torno da qualidade dos ativos e a uma potencial erosão “modesta” na posição de capital “já fraca” do banco.

Apesar das perspetivas de evolução negativas, a Fitch diz que os ratings dos bancos não estão “em risco imediato de downgrade”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fitch mantém ratings da banca nacional com perspetivas negativas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião