Operações com cartão têm em setembro a primeira subida homóloga desde início da pandemia

  • Lusa
  • 23 Outubro 2020

O valor dos pagamentos feitos em cartão aumentou em setembro 0,1% face ao mesmo mês do ano passado e a quantidade destes movimentos também superou em 0,2% os números registados um ano antes.

Os pagamentos com cartão registaram em setembro uma subida homóloga, em valor e quantidade, o que acontece pela primeira vez desde o início da pandemia e os primeiros dados de outubro indicam nova subida, revelou o Banco de Portugal (BdP).

De acordo com os dados divulgados pelo supervisor, o valor dos pagamentos efetuados em cartão aumentou em setembro 0,1% face ao mesmo mês do ano passado e a quantidade destes movimentos também superou em 0,2% os números registados um ano antes.

Trata-se da primeira vez desde o início da pandemia que as operações realizadas com cartões de pagamentos registaram um crescimento homólogo, sendo que a evolução observada em setembro representa uma recuperação de cerca de 30 pontos percentuais face a abril de 2020, mês em que, segundo o BdP, “se registou uma redução sem precedentes” na utilização destes cartões.

A informação indica ainda que setembro é o terceiro mês consecutivo em que as compras realizadas por consumidores portugueses registam um crescimento homólogo, tendo avançado 5,2%, tendência que se deverá manter em outubro, tendo em conta os dados disponíveis para as primeiras três semanas deste mês.

A pandemia levou as pessoas a aderirem mais aos pagamentos contactless — cujo valor limite foi também aumentado para evitar o contacto físico com os terminais de pagamento –, com os dados a indicarem que representaram em setembro 30% das compras realizadas com cartão, um aumento de 22 pontos percentuais face à média de 2019. As compras online, por seu lado, representaram 9% das compras com cartões, evidenciando um aumento de 1,5 pontos percentuais face à média observada no ano passado.

O impacto da pandemia é também visível na estrutura da despesa das famílias, com as compras em supermercados/hipermercados e restantes atividades de retalho e em saúde a registarem em setembro crescimentos homólogos de, respetivamente, 7% e 17%, enquanto setores como a restauração e o alojamento se mantiveram em terreno negativo (em -14,4% e -42,7%, respetivamente).

A informação recolhida pelo BdP sugere ainda que se registou uma substituição de levantamento em dinheiro por compras em cartão, já que o valor dos levantamentos em numerário realizados por portugueses, em setembro de 2020, ficou 7,1% abaixo do mês homólogo de 2019. Ainda assim, o valor acumulado das compras e dos levantamentos nacionais cresceu 0,3%.

“Nas três primeiras semanas de outubro (até dia 18), as compras efetuadas por consumidores portugueses em território nacional cresceram 4,2% em termos homólogos”, adianta ainda o Banco de Portugal. Relativamente aos pagamentos e levantamentos realizados por portugueses no estrangeiro e por estrangeiros em Portugal, os números de setembro continuam abaixo dos valores registados um ano antes, refletindo as restrições à circulação internacional impostas pela pandemia.

As compras de portugueses no estrangeiro e as compras de estrangeiros em Portugal registaram quebras homólogas de, respetivamente, 18,3% e 46%. Por seu lado, o valor dos levantamentos efetuados por estrangeiros em Portugal caiu 35,5%, e por portugueses no estrangeiro recuou 34,7%.

Esta tendência de quebra homóloga continua a verificar-se em outubro, com os dados disponíveis até 18 deste mês a revelarem uma quebra homóloga de 50,9% nas compras efetuadas por estrangeiros; de 6,5% nos levantamentos de numerário realizados por portugueses; e um recuo de 34,5% nos levantamentos de dinheiro realizados por estrangeiros em Portugal.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Operações com cartão têm em setembro a primeira subida homóloga desde início da pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião