Verão no Algarve com quebra de 15% no uso de cartões

Utilização dos cartões bancários sinaliza um novo enquadramento no turismo esta verão em Portugal, que apostou mais nas regiões do interior do que no litoral.

A pandemia ditou um verão muito diferente em Portugal, tendo afetado o consumo nas regiões mais turísticas do país, enquanto outras saíram ganhadoras. O Algarve sofreu uma quebra de 15% nos gastos com cartões, mas que ainda assim ficou aquém do registado nas regiões de Lisboa e Porto, indicam dados divulgados pela SIBS esta segunda-feira.

A entidade responsável pela gestão da rede Multibanco explica que, num período marcado pelas condicionantes impostas pelo combate à pandemia, o consumo global em Portugal efetuado através de operações com cartões bancários sofreu uma quebra de 9%, afetado maioritariamente pela redução do turismo estrangeiro.

Os dados, trabalhados pela SIBS em parceria com o Turismo de Portugal, indicam que as operações com cartões bancários internacionais registaram uma quebra de 48% face a 2019, tendo o consumo português sido aquele que contribuiu para travar a queda no consumo global nacional, ao sofrer uma redução de apenas 3%.

“O verão de 2020 trouxe alterações relevantes nos padrões de consumo de portugueses e estrangeiros. Nenhuma evolução pode ser dissociada do contexto sem precedentes que vivemos de combate à Covid-19. O consumo dos portugueses atenuou a quebra global do consumo neste verão mas foi insuficiente para compensar a redução de 48% de consumo de cartões estrangeiros em Portugal”, explica a este propósito Gonçalo Amaro, diretor de Digital & E-commerce da SIBS.

A análise da variação do consumo nas regiões portuguesas face ao período homólogo aponta ainda para um novo perfil de turista nacional, que neste verão apostou mais nas regiões do interior do que no litoral. Considerando o valor das operações por região face a 2019, é destacado o crescimento do valor das operações em Manteigas (34%), Terras de Bouro (16%), Porto Santo (5%) e Grândola (3%).

Esse aumento foi feito muito à conta da quebra abrupta do consumo nas regiões do país habitualmente mais procuradas pelos turistas estrangeiros, mas também nacionais, quadro em que, ainda assim, o Algarve sofreu danos mais contidos. Enquanto em Lisboa e no Porto a redução turística ditou quebras de 32% e 23% no consumo, respetivamente, no caso do Algarve a diminuição foi de 15%.

Entre os dados da SIBS é destacado ainda o aumento do valor das compras dos portugueses no setor do alojamento turístico, com mais 25% de compras físicas realizadas por cartões nacionais em alojamento face ao período homólogo. Já considerando também os cartões estrangeiros, a quebra global situa-se nos 41%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Verão no Algarve com quebra de 15% no uso de cartões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião