Casos recorde de Covid-19 nos EUA castigam Wall Street

O sentimento dos investidores está a ser penalizado pelo agravamento da situação pandémica. EUA, Rússia ou França estão entre os países que registaram esta segunda-feira um número recorde de infeções.

Há cada vez mais casos de infeção por Covid-19 nos EUA e os estímulos orçamentais (que aliviem o impacto económico da pandemia) tardam em chegar. A conjugação destes dois fatores com renovadas tensões entre norte-americanos e chineses e com uma época de resultados penalizada pela pandemia atirou Wall Street para terreno negativo.

O S&P 500 deu o maior tombo diário em quatro semanas, tendo fechado com uma perda de 1,85% para 3.401,24 pontos. Já o industrial Dow Jones tombou 2,28% para 27.688,47 pontos, enquanto o tecnológico Nasdaq recuou 1,64% para 11.358,94 pontos.

O sentimento dos investidores está a ser penalizado pelo agravamento da situação pandémica. EUA, Rússia ou França estão entre os países que registaram esta segunda-feira um número recorde de infeções.

Os receios sobre o ressurgimento da Covid-19 e a contínua falha em conseguir alcançar um pacote orçamental entre Republicanos e Democratas deixou os investidores nervosos“, disse Michael Arone, chief investment strategist da State Street Global Advisors, à Reuters. “Estes foram os dois grandes drivers da queda de hoje”.

A penalizar ainda mais estão as renovadas tensões entre EUA e China depois de o gigante asiático ter sinalizado que poderá impor sanções a empresas de defesa norte-americanas caso EUA avancem com a venda de armas a Taiwan. Isto a uma semana das eleições presidenciais nos EUA e em plena época de resultados. No campo empresarial, esteve em destaque a especialista em brinquedos Hasbro, que afundou 9,5% após ter divulgado contas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Casos recorde de Covid-19 nos EUA castigam Wall Street

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião