DGS revê norma sobre isolamento após contacto com infetados

  • Lusa
  • 26 Outubro 2020

Quando houver um consenso entre os peritos, a DGS fará emitir uma nova orientação sobre o período de incubação na eventualidade de um contacto de alto risco.

A Direção-Geral da Saúde (DGS) está a rever a norma sobre o período de isolamento profilático, podendo a quarentena para as pessoas que estiveram próximas de infetados com o novo coronavírus deixar de ser 14 dias.

A ciência neste momento começa a dar indicações sobre quais são os dias máximos, até onde as pessoas provavelmente podem incubar o vírus, podem vir estar infetadas e podem vir a transmitir“, disse a diretora-geral da Saúde, na conferência de imprensa de atualização de informação relativa à pandemia de covid-19.

Graça Freitas acrescentou que se está a começar a perceber que, a partir do décimo dia, “a probabilidade de alguém que ainda não se infetou se vir a infetar é pequena”. A responsável sustentou que é com base nesta ciência que a DGS está a rever documentação internacional, a analisar a evidência noutros países e a consultar peritos e especialistas.

“Estamos a trabalhar numa eventual nova recomendação que só será feita obviamente se tivermos confiança suficiente na medida que estamos a promover”, ressalvou, frisando que a DGS está a rever essa norma e quando houver um consenso entre os peritos fará emitir uma nova orientação sobre o período de incubação na eventualidade de um contacto de alto risco, ou seja, de uma pessoa que esteve próximo de um infetado com covid-19 e assim “sair do seu isolamento mais precocemente”.

Graça Freitas sustentou que estas são matérias “muito sensíveis” e a DGS tem baseado as orientações na evidência e o conhecimento.

A diretora-geral da Saúde afirmou que se começou por reduzir o período de isolamento profilático para as pessoas infetadas ao passar-se a considerar que ao fim de 10 dias, desde a data de início de sintomas ou de um teste positivo, o doente tem alta clínica desde que apresente “uma melhoria franca do seu estado clínico”.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos e mais de 43 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP. Em Portugal, morreram 2.343 pessoas dos 121.133 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

DGS revê norma sobre isolamento após contacto com infetados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião