Insurtech Lovys está a recrutar 30 programadores para novo centro tecnológico em Leiria

  • ECO Seguros
  • 26 Outubro 2020

A seguradora coloca em Portugal um novo polo tecnológico para cumprir o objetivo de atingir 100 mil clientes no final de 2021. Vai ainda lançar nova ronda de investimento e entrar em novos mercados.

A Lovys, seguradora que é uma startup portuguesa, escolheu a cidade de Leiria para instalação do seu polo de desenvolvimento tecnológico, poucos meses antes da expansão para novos mercados. O ecossistema de inovação, a qualidade de quadros na área e a proximidade a algumas universidades da região centro foram os principais critérios que justificam a escolha.

Fundada em 2017 por João Cardoso e centrada no mercado francês, a Lovys é uma insurtech portuguesa que oferece seguros sob forma de subscrição 100% digital e flexível. Os clientes podem subscrever até 4 produtos (seguro casa, carro, smartphone ou animais de companhia), podendo alterar mensalmente a sua subscrição e escolher livremente as suas garantias. A empresa conta com 55 colaboradores, tendo escritórios em Paris, Lisboa, Porto e Leiria. Levantou mais de 3,7 milhões de euros em rondas de investimento, tendo feito uma das maiores rondas seed em seguros no mercado Europeu, no valor de 3,3 milhões de euros. Tem como principais investidores a Portugal Ventures, MAIF Avenir e Plug & Play Ventures.

A Lovys tem focado o seu mercado em França onde conta com mais de 20 mil clientes, valor esse que, segundo a empresa “deverá duplicar nos próximos meses através do crescimento no mesmo mercado, mas também em novos mercados europeus”. A expansão da marca noutros países e uma nova ronda de investimento são algumas das prioridades até ao início do próximo ano, a empresa espera atingir os 100 mil clientes até ao final de 2021.

As vagas estarão disponíveis em diversas plataformas especializadas, como a Landing Jobs ou Linkedin, sendo os perfis com mais de 5 anos de experiência os mais procurados

Tendo uma componente tecnológica bastante forte, a Lovys procurou uma cidade onde pudesse desenvolver tecnologia transversalmente para vários países. Escolheu Leiria, onde a empresa detinha já um pequeno escritório, onde será criado um polo tecnológico que vai incluir diversas áreas de engenharia. Serão cerca de 30 novos colaboradores a serem recrutados nos próximos 6 meses. O polo será criado numa primeira fase na incubadora D.Dinis (IDDnet), associação criada pelo Instituto Politécnico de Leiria, a Câmara Municipal de Leiria e a NERLEI – Associação Empresarial da Região de Leiria.

As vagas estarão disponíveis em diversas plataformas especializadas, como a Landing Jobs ou Linkedin, sendo os perfis com mais de 5 anos de experiência os mais procurados.

“Cerca de 60% dos colaboradores da Lovys têm funções de cariz tecnológico”, afirma João Cardoso, CEO da Lovys, acrescentando que “a tecnologia que criamos é das nossas maiores vantagens competitivas, razão pela qual decidimos criar um dos maiores polos de inovação europeus na indústria dos seguros”.

Natural de Leiria, João Cardoso, começou a sua carreira em Londres, na Morgan Stanley após concluir a licenciatura pela Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa. Fez duas start up no Brasil até regressar a Portugal, e a França, lançando a Lovys que agora investe forte na sua cidade de origem: “a existência de talento na cidade mas também a sua capacidade de atrair pessoas de outros ecossistemas de inovação circundantes como Aveiro e Coimbra foram fundamentais na escolha”, conclui.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Insurtech Lovys está a recrutar 30 programadores para novo centro tecnológico em Leiria

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião