Famílias voltam a reforçar depósitos na pandemia. Há 158,1 mil milhões nos bancos

Desde o início da pandemia que a tendência tem sido de crescimento dos depósitos das famílias nos bancos. Após um ligeiro recuo em agosto, o montante voltou a aumentar em setembro.

A pandemia está a levar as famílias a reforçar as poupanças nos bancos. Havia, no final do mês passado, 158,1 mil milhões de euros em depósitos de particulares nos bancos. Após um ligeiro recuo em agosto, o montante voltou a crescer em setembro.

“Os depósitos de particulares nos bancos residentes totalizavam 158,1 mil milhões de euros no final de setembro. A tva [taxa de variação anual] foi de 7,0%, valor 0,2 pp [pontos percentuais] acima do registado em agosto“, revelam os dados divulgados esta terça-feira pelo Banco de Portugal.

O máximo histórico foi registado em julho, com 159.210 milhões de euros nos bancos. Depois disso, houve um ligeiro recuo, em agosto poderá estar relacionado com o período das férias, mas também com a evolução da pandemia já que o medo de que a situação possa ainda agravar-se mais, penalizando os rendimentos, tem sido um fator chave para os comportamentos das famílias em Portugal em relação às poupanças.

Depósitos próximos de máximos

Fonte: Banco de Portugal

Já no que diz respeito aos empréstimos às empresas, também estes estão a crescer. Em setembro, os empréstimos a particulares para habitação subiu 2%, refletindo uma subida de 0,2 pontos percentuais face a agosto. Nos empréstimos para consumo, a taxa de variação anual situou-se nos 2,7%, mas revela um decréscimo de 0,9 pontos percentuais do que no mês anterior.

Já os empréstimos concedidos pelos bancos a empresas apresentaram uma taxa de variação anual de 8,4%, o que representa um aumento de 0,6 pontos percentuais do que o observado no mês anterior. “Destacou-se a evolução dos empréstimos às micro e às pequenas empresas, cujas tva aumentaram 0,7 pp e 1,3 pp, para 15,5% e 11,8%, respetivamente“, acrescenta o Banco de Portugal.

(Notícia atualizada às 11h35)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Famílias voltam a reforçar depósitos na pandemia. Há 158,1 mil milhões nos bancos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião