Siza Vieira está “muito otimista” com o turismo a médio prazo

O ministro Pedro Siza Vieira diz-se "muito otimista" quanto a uma recuperação do turismo a médio-prazo, acreditando que o bom momento que o turismo atravessava vai voltar.

O ministro da Economia acredita que o turismo vai voltar ao bom momento que atravessava, afirmando estar confiante numa recuperação a médio prazo. Em declarações durante um debate sobre o setor imobiliário, Pedro Siza Vieira falou ainda na importância de continuar a atrair investimento internacional, que apenas será possível com estabilidade política e um ambiente económico favorável.

“A minha perspetiva para o turismo a médio prazo é muito otimista”, começou por dizer o ministro da Economia esta terça-feira, durante a conferência online Lisbon Real Estate Investment Talks 2020. “Agora temos uma procura retraída, o que significa que as pessoas estão em casa. Mas o turismo vai voltar”. Mas, enquanto isso não acontece, continuou, é preciso “ajudar as empresas a atravessar este período de procura extremamente baixa”.

Pedro Siza Vieira notou que “manter os empregos é uma das medidas mais importantes”, mas reconheceu que, para isso, “as empresas têm de continuar a receber muito apoio”, principalmente para “estimular a procura internacional”.

“Estamos a usar fundos [europeus] para ajudar os rendimentos [dos profissionais do setor turístico] a aumentarem”, continuou, referindo que é necessário trabalhar “arduamente” para “dar a melhor experiência aos turistas”.

“Temos uma procura muito alta por imobiliário de qualidade”

Na mesma conferência, o ministro da Economia falou também no mercado imobiliário, e na importância de continuar a atrair investimento internacional. “Na minha opinião, a melhor forma de atrair investimento estrangeiro é dar estabilidade política e ter um ambiente económico que facilite o crescimento e o melhor retorno possível no investimento“, notou.

Pedro Siza Vieira recordou os anos anteriores, em que se assistiu a um “aumento da atividade económica” e à “atração de investimento e talento estrangeiro”, em que muitas pessoas vieram para território nacional trabalhar e viver, o que gerou muita procura por parte dos investidores.

Por isso, o ministro afirmou que “o que temos em Portugal é uma procura muito alta por mercado imobiliário de qualidade”, disse, afirmando que “isso vai continuar no futuro”. “Espero que tenhamos um forte crescimento nos próximos anos, depois do impacto provocado pela pandemia desaparecer. Vamos manter a estabilidade política e acredito que vamos continuar a estar nas preferências dos investidores“.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Siza Vieira está “muito otimista” com o turismo a médio prazo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião