Aumento de casos de infeção faz Wall Street cair mais de 3%

O aumento do número de casos de coronavírus continua a penalizar os índices norte-americanos. Ações do setor dos turismo e da tecnologia foram as mais penalizadas.

O aumento do número de casos de coronavírus continua a penalizar os índices norte-americanos e, esta quarta-feira, as quedas superaram os 3%, com o Dow Jones a registar a maior descida diária dos últimos quatro meses.

O S&P 500 recuou 3,54% para 3.270,80 pontos, acompanhando pelo tecnológico Nasdaq que desvalorizou 3,73% para 11.004,87 pontos. O industrial Dow Jones perdeu 3,43% para 26.519,95 pontos, naquela que foi a maior queda diária desde 11 de junho.

Os casos de coronavírus nos Estados Unidos continuam a aumentar e, na semana passada, bateram um recorde médio diário de 71.832, de acordo com dados da Universidade Johns Hopkins, citados pela CNBC (conteúdo em inglês). Ao mesmo tempo os internamentos hospitalares devido ao coronavírus aumentaram mais de 5% em cerca de 30 estados norte-americanos, segundo dados do Covid Tracking Project.

O recente aumento de pessoas infetadas levou alguns países a restabelecer certas medidas de distanciamento social e, nos Estados Unidos, Illinois ordenou mesmo que Chicago fechasse certos restaurantes.

As ações que poderão ser mais penalizadas por estes confinamentos provocados pela pandemia lideraram as perdas. A Delta Air Lines caiu 3,45% para 29,65 dólares, enquanto a Royal Caribbean perdeu 7,44% para 53,11 dólares. Ainda no setor turístico, a Norwegian Cruise Line e a Carnival caíram mais de 9%.

Mas, esta quarta-feira, as ações do Facebook, Alphabet e Twitter também caíram drasticamente depois dos testemunhos dos respetivos CEO frente aos membros do Senado. O Facebook e o Twitter caíram 5,57% e 5,31%, respetivamente, enquanto a Alphabet caiu 5,53%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Aumento de casos de infeção faz Wall Street cair mais de 3%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião