Investidores da Diáspora pedem apoio de mais de 17 milhões para criar novos postos de trabalho

Emigrantes apresentaram 142 candidaturas para criar 363 novos postos de trabalho em Portugal. Norte regista o maior número de candidaturas (56).

Os investidores da Diáspora apresentaram 142 candidaturas, solicitando um apoio de mais de 17 milhões de euros para a criação de 363 novos postos de trabalho, no âmbito da medida de empregabilidade do Programa +Co3so Emprego, lançada em julho pelo Governo, avança o Ministério da Coesão Territorial em comunicado.

Foi na Região Norte que se verificou o maior número de candidaturas (56), com uma solicitação de mais de seis milhões de euros em apoios para criar o maior número de postos de trabalho (140). Contudo, foi na Região Centro que se solicitou o maior montante de apoio (mais de seis milhões e meio de euros) para criar 123 postos de trabalho, através de 50 candidaturas.

De entre as três modalidades disponíveis (Interior, Urbano e Empreendedorismo Social), o Emprego Interior foi a mais procurada pelos Investidores da Diáspora, somando 88 candidaturas (62%), destinadas a criar 198 postos de trabalho (54,5%) e pedindo apoios na ordem dos dez milhões de euros (59%).

A medida +CO3SO Emprego apoia a 100% os custos diretos com os novos postos de trabalho criados (salários e contribuições para a Segurança Social a cargo do empregador), bem como o pagamento de um adicional de 40% sobre esses mesmos custos. O programa +Co3so Emprego pode dar, no máximo, 2.200 euros por mês a cada trabalhador contratado sem termo durante três anos.

A nível global, a medida registou 5.045 candidaturas e ultrapassou os 550 milhões de euros em fundos solicitados. De acordo com o Ministério da Coesão Territorial liderado por Ana Abrunhosa, a elevada procura destes apoios, “poderá justificar-se um reforço das verbas prevista para a medida que é, simultaneamente, de apoio à empregabilidade e à liquidez das empresas”.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Investidores da Diáspora pedem apoio de mais de 17 milhões para criar novos postos de trabalho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião