Jerónimo Martins propõe dar 86,7 milhões em dividendos extraordinários

A 26 de novembro os acionistas vão reunir-se de forma totalmente remota para votar proposta do conselho de administração.

A Jerónimo Martins quer voltar a dar dividendos aos acionistas. O conselho de administração convocou para dia 26 de novembro uma assembleia-geral extraordinária de acionistas na qual será votado o uso de reservas livres. A proposta prevê o pagamento de 0,138 euros por ação num total superior a 87,6 milhões de euros.

“O conselho de administração de Jerónimo Martins, SGPS, S.A. propõe que os acionistas deliberem proceder à distribuição parcial de reservas livres no montante de 86.723.922,36 euros, equivalente ao valor bruto por ação de 0,138 euros, a distribuir pelos acionistas na proporção das suas participações, excluindo-se ações próprias em carteira”, pode ler-se no comunicado a empresa ao mercado.

A retalhista liderada por Pedro Soares dos Santos aponta seis razões para decidir agora distribuir reservas que vinham de resultados antigos, após ter cortado o pagamento anual devido à pandemia. A primeira é exatamente ter, no início de maio, revisto a proposta passando o rácio de pagamento de dividendos para 30% dos resultados líquidos.

“Nessa ocasião, o conselho de administração informou o mercado de que, dependendo da evolução da situação, poderia ainda considerar propor a distribuição, com base nas reservas livres da Sociedade, até ao final do ano, do valor remanescente para perfazer o rácio de 50% dos resultados líquidos consolidados, em linha com a política de dividendos de Jerónimo Martins”, lembra.

Aponta o “desempenho robusto” da empresa, que entre janeiro e setembro, lucrou menos 17,8%, face a igual período de 2019, para 219 milhões de euros, mas cujas vendas até subiram 3,9%. A Jerónimo Martins sublinha ainda a “flexibilidade financeira para suportar projetos de crescimento e aproveitar oportunidades de expansão não orgânica que surjam no curto prazo”, bem como a “existência de reservas livres em montante superior ao mínimo legal”.

Após a forte quebra nos dividendos referentes a 2019 pagos desde o início do ano devido ao impacto da pandemia, a Jerónimo Martins é a segunda empresa do PSI-20 a anunciar que vai distribuir reservas aos acionistas. No final da semana passada, também a Navigator anunciou que pretende entregar uma remuneração extraordinária aos acionistas, no valor de quase 100 milhões de euros.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Jerónimo Martins propõe dar 86,7 milhões em dividendos extraordinários

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião