Lisboa ganha quase 2% com recuperação da Galp Energia

A bolsa nacional encerrou em terreno positivo com praticamente todas as cotadas no verde. Os títulos da EDP Renováveis foram os únicos a desvalorizar.

A bolsa nacional encerrou a primeira sessão da semana em terreno positivo, animada pela maioria das cotadas que apresentaram ganhos bastante expressivos. Lisboa acompanhou, assim, a tendência positiva que se viveu nas restantes praças europeias. Destaque negativo para os títulos da EDP Renováveis, que foram os únicos a encerrar em terreno negativo.

O PSI-20 subiu 1,88% para 4.019,19 euros, com 17 das cotadas no verde. Nesta sessão, destaque para as ações dos CTT, que dispararam 5,71%, para 2,22 euros, naquela que representa a maior subida desde 10 de agosto, dia em que valorizou mais de 6%.

No setor energético, a Galp Energia somou 4,92% para 7,296 euros, no dia em que o preço do barril de petróleo está a valorizar nos mercados internacionais. O barril de Brent sobe 1,24% para 38,38 dólares, enquanto o WTI avança 1,23% para 36,23 dólares.

A EDP somou 0,78%, para 4,265 euros, enquanto a REN valorizou 0,89%, para 2,275 euros. No lado oposto, os títulos da EDP Renováveis recuaram 0,61%, para 16,22 euros, representando a única descida desta sessão.

No retalho, a Jerónimo Martins avançou 1,47%, para os 13,84 euros, no dia em que anunciou que, afinal, não vai cortar na distribuição de dividendos. Vai dar 86,7 milhões de euros em dividendos extraordinários aos acionistas. Por sua vez, a Sonae somou 3,66%, para 0,5235 euros.

Lisboa acompanhou, assim, a tendência positiva que se vive nos restantes mercados europeus, que recuperam das perdas acentuadas dos últimos dias. A contribuir para esta recuperação estão os dados económicos animadores, apesar de algum nervosismo quanto às eleições norte-americanas. O Stoxx-600 valorizou 1,61% para 347,86 pontos.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lisboa ganha quase 2% com recuperação da Galp Energia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião