BPI deu 108 mil moratórias. Crédito Covid supera 700 milhões

Banco liderado por João Oliveira e Costa fala em "disponibilidade" para apoiar empresas e famílias na crise. Já deu mais de 108 mil moratórias e contratou 704 milhões através das linhas Covid.

O BPI concedeu mais de 108 mil moratórias no crédito, no valor de 6,1 mil milhões de euros, tendo ainda contratado 704 milhões de euros através das linhas Covid disponibilizadas pelo Governo.

João Oliveira e Costa, CEO do banco detido pelo CaixaBank, destaca a “disponibilidade” do BPI (e do setor financeiro) para apoiar famílias e empresas neste período de crise provocada pela pandemia. “É justo reconhecer o papel que os bancários e os bancos têm tido nesta pandemia, assegurando a manutenção dos serviços sem disrupções e com novas facilidades, evitando preocupações adicionais aos portugueses em tempos muito desafiantes”, destacou o responsável.

No que diz respeito às moratórias de crédito, que permitem uma suspensão temporária do pagamento das prestações dos empréstimos, o BPI tem 108,6 mil contratos abrangidos por estes regimes, correspondendo a 6,127 mil milhões de euros (24% do total do crédito do banco).

Deste montante, 2,7 mil milhões dizem respeito ao crédito à habitação, enquanto outros 3,02 mil milhões correspondem ao valor de moratórias concedidas a empresas. Há ainda moratórias no montante de 388 milhões de euros no crédito pessoal e financiamento automóvel.

O BPI adianta ainda que recebeu quase oito mil candidaturas de empresas para acederem às linhas de crédito Covid-19, tendo já sido contratados ou aprovados pelas sociedades de garantia mútua cerca de 704 milhões de euros.

O banco registou lucros consolidados de 85,5 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano, uma queda de 66% face ao mesmo período do ano passado, depois de ter registado imparidades de 100 milhões de euros por causa da pandemia.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BPI deu 108 mil moratórias. Crédito Covid supera 700 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião