Porta 65 não resolve o arrendamento jovem, mas solução “vai demorar”

O ministro da Habitação reconhece que o Porta 65 não resolve o problema do arrendamento jovem. Mas garante que, "no futuro", vai ser articulado com o Programa de Arrendamento Acessível.

Pedro Nuno Santos reconhece que o Programa Porta 65 não resolve o problema da dificuldade que os jovens têm em aceder ao mercado de arrendamento e, por isso, garante que, “no futuro”, este vai ser articulado com o Programa de Arrendamento Acessível (PAA). O ministro admite que a resposta do Estado aos jovens vai, “infelizmente, demorar” e que, por enquanto, o Porta 65 “tem de continuar a existir”.

“Queremos uma articulação do Porta 65 Jovem com o PAA no futuro. Mas, verdadeiramente, a solução para o arrendamento jovem não é o Porta 65”, disse Pedro Nuno Santos esta quarta-feira, durante uma audição da Comissão de Orçamento e Finanças e de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação, no âmbito da apreciação na especialidade da proposta do Orçamento do Estado para 2021 (OE2021).

Vamos, infelizmente, demorar a ter a resposta pública necessária, mas o Porta 65 tem de continuar a existir. A articulação com o PAA é exatamente para que o Porta 65 se possa cingir a rendas que têm um teto máximo”, acrescentou.

Esta intenção de articular o Porta 65 com o PAA já era conhecida, dado que estava prevista no Orçamento do Estado para 2020. O documento previa um reforço de dois milhões de euros face aos 20 milhões de euros que estavam previstos em 2019, ou seja, 22 milhões de euros.

O PAA foi criado pelo Governo no verão do ano passado, prevendo que proprietários privados inscrevam os seus imóveis na plataforma e os arrendem a preços 20% abaixo dos praticados no mercado. Em troca, têm benefícios fiscais Contudo, desde então, têm sido muito poucos os proprietários interessados. No espaço de um ano foram assinados apenas 242 contratos de arrendamento.

(Notícia atualizada às 18h14 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Porta 65 não resolve o arrendamento jovem, mas solução “vai demorar”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião