Lucro da Corticeira Amorim cai 10,8% até setembro e soma 49 milhões

  • Lusa
  • 5 Novembro 2020

Lucro da Corticeira Amorim caiu 10,8%, para 49 milhões de euros, nos primeiros noves meses face ao mesmo período de 2019, tendo as vendas recuado 5,2% para 571,4 milhões de euros.

O lucro da Corticeira Amorim caiu 10,8%, para 49 milhões de euros, nos primeiros noves meses face ao mesmo período de 2019, tendo as vendas recuado 5,2% para 571,4 milhões de euros, divulgou esta quinta-feira a empresa.

“Após resultados atribuíveis aos interesses que não controla, a Corticeira Amorim encerrou o período com um resultado líquido de 49 milhões de euros, uma redução de 10,8% face ao registado no período homólogo de 2019. Excluindo o evento não recorrente associado à venda da US Floors [em 2019], o resultado líquido teria caído 6,8%”, lê-se num comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Segundo a corticeira, “as condições adversas decorrentes da pandemia Covid-19 e consequentes medidas implementadas pelos diferentes países para conter a sua propagação afetaram negativamente o volume de negócios de todas as Unidades de Negócio (UN), sendo o segundo trimestre o mais penalizado”.

Conforme explica, “após um segundo trimestre severamente afetado por condições de mercado altamente desfavoráveis, assistiu-se a uma melhoria da atividade nos meses de julho-setembro, muito beneficiando também da diversificação geográfica” da empresa.

“No entanto, a incerteza e baixa visibilidade mantêm-se altas, tornando difícil avaliar a dimensão dos impactos diretos e indiretos da pandemia por Covid-19 no futuro”, refere, acrescentando que “a evolução e a extensão da sua disseminação, bem como a eventual necessidade de implementação de medidas de contenção adicionais, determinarão os seus efeitos sobre a economia global e padrões de consumo e, consequentemente, sobre a atividade da Corticeira Amorim”.

Até setembro, o EBITDA (resultados antes de impostos, juros, amortizações e depreciações) diminuiu 2,0%, atingindo os 94,9 milhões de euros, numa evolução que “reflete essencialmente a redução do preço de consumo das matérias-primas, aumentos de preços de venda e ganhos de eficiência operacional, que “compensaram grande parte do efeito negativo decorrente de um menor nível de atividade”.

Uma vez que o decréscimo do EBITDA foi “substancialmente inferior” ao das vendas, registou-se uma melhoria do rácio EBITDA/vendas para 16,6% (contra 16,1% nos primeiros nove meses de 2019).

Segundo a empresa com sede em Mozelos, Santa Maria da Feira, de janeiro a setembro todas as unidades de negócios (UN) registaram quedas homólogas de vendas, com a exceção da UN Revestimentos, que “confirmou a evolução positiva do início do ano”.

“No entanto – destaca – a evolução das vendas no terceiro trimestre (-5,5%) foi já mais favorável que a do trimestre anterior (-10,5%)”, sendo “de salientar ainda que, ao contrário do início do ano, as vendas refletem uma evolução cambial desfavorável – excluindo este impacto, as vendas teriam caído 4,4% nos primeiros nove meses do ano (-3,5% no terceiro trimestre)”.

As vendas da UN Rolhas, que representam 70% das vendas consolidadas da Corticeira Amorim, caíram 5,6%, para 407,9 milhões de euros, tendo sido “negativamente impactadas pelo decréscimo do consumo de vinho, essencialmente no canal HoReCa [hotelaria, restauração e cafetaria], bem como pelo encerramento temporário de alguns dos seus clientes”.

Já a UN Revestimentos aumentou as vendas em 4,0%, para 86,2 milhões de euros, enquanto a UN Aglomerados Compósitos viu a faturação recuar 7,8% para 72,6 milhões de euros, particularmente penalizada pelo encerramento temporário de alguns dos seus clientes, nomeadamente na Alemanha, Índia e Rússia.

No que se refere ao desempenho operacional das várias unidades de negócio, as UN Matérias-Primas e Rolhas registaram um EBITDA de 88,8 milhões de euros, um decréscimo de 4,8% face ao período homólogo, destacando-se o “desempenho muito positivo da UN Rolhas, cujo EBITDA foi em linha com o apresentado nos primeiros nove meses de 2019, apesar da queda nas vendas de 5,6%”.

O EBITDA da UN Revestimentos atingiu 1,0 milhão de euros, o que compara com um valor negativo de 2,2 milhões de euros no período homólogo de 2019, beneficiando da “melhoria do ‘mix’ de produtos vendidos”, “implementação de medidas de racionalização e otimização em termos de estrutura” e “não repetição de gastos associados ao lançamento do produto Amorim WISE”.

Já o EBITDA da UN Aglomerados Compósitos recuou dos 9,0 milhões de euros dos primeiros nove meses de 2019 para 7,1 milhões de euros este ano, penalizado pela queda das vendas, enquanto a UN Isolamentos apresentou uma “melhoria significativa da atividade operacional”, com o rácio EBITDA/vendas a subir para 6,9% (face aos -0,4% do período homólogo), sobretudo refletindo a redução do preço de consumo de cortiça.

Em resultados não recorrentes foram registados gastos de reestruturação (1,7 milhões de euros), sobretudo decorrentes de indemnizações pagas nas UN Rolhas, Revestimentos e Aglomerados Compósitos.

Segundo a Corticeira Amorim, a redução do resultado de associadas “reflete essencialmente o recebimento em 2019 de 2,3 milhões de euros decorrentes da venda da US Floors”. Sendo este o valor final associado a esta operação, o seu impacto afetou apenas os resultados do período homólogo do ano anterior.

No final de setembro, a dívida remunerada líquida da Corticeira Amorim ascendia a 117,8 milhões de euros, abaixo dos 161,1 milhões de euros no final do ano passado.

Conforme explica a empresa, “apesar do aumento do investimento em ativo fixo (29,0 milhões de euros), do pagamento de dividendos (25 milhões de euros) e das aquisições de 10% da Bourrassé (cinco milhões de euros) e de 30% da Elfverson (dois milhões de euros, foi possível reduzir a dívida líquida em 43 milhões de euros face ao final do ano de 2019”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lucro da Corticeira Amorim cai 10,8% até setembro e soma 49 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião