Áreas de Acolhimento Empresarial no Norte, Centro e Alentejo com investimento de 25 milhões dos POR

  • Lusa
  • 6 Novembro 2020

Mais de 25 milhões de euros dos Programas Operacionais Regionais (POR) foram disponibilizados para criar ou ampliar Áreas de Acolhimento Empresarial nas regiões Norte, Centro e Alentejo.

Mais de 25 milhões de euros dos Programas Operacionais Regionais (POR) foram disponibilizados para criar ou ampliar Áreas de Acolhimento Empresarial nas regiões Norte, Centro e Alentejo, anunciou o Ministério da Coesão Territorial.

Do total de 25,5 milhões de euros dos POR, 12 milhões de euros serão distribuídos pela região Norte, metade dos quais (seis milhões) caberão exclusivamente a projetos em territórios do Interior. À região Centro cabe uma dotação de 10 milhões de euros e ao Alentejo 3,5 milhões de euros.

Numa nota, o Ministério da Coesão destacou que “só serão apoiados municípios que comprovem uma elevada taxa de compromisso dos seus lotes industriais”.

Os avisos permitirão a requalificação de edifícios abandonados de antigas fábricas, “dando oportunidade às empresas de se instalarem sem a necessidade de construírem novos edifícios”, acrescentou.

O financiamento também abrange despesas com estudos e projetos, com a aquisição de terrenos, trabalhos de construção civil, equipamentos, infraestruturas físicas e tecnológicas, sistemas de informação e de comunicação de uso coletivo.

O ministério da ministra Ana Abrunhosa destacou que estas Áreas de Acolhimento Empresarial, afetas à instalação de atividades industriais, comerciais e de serviços, “são estruturas vitais para o desenvolvimento das economias regionais”, corrigem assimetrias, criam riqueza e emprego, contribuem para o aumento da competitividade das Pequenas e Médias Empresas (PME) e são “fundamentais para que as regiões se afirmem no setor da internacionalização”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Áreas de Acolhimento Empresarial no Norte, Centro e Alentejo com investimento de 25 milhões dos POR

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião