CDS diz que apoios a fundo perdido são positivos, mas podem não ser suficientes

O CDS diz reconhecer "um ou outro bom sinal" no novo pacote de apoios à atividade económica anunciado pelo Governo.

O novo pacote de apoios às empresas e ao emprego anunciado pelo Governo tem “um ou outro bom sinal“, sublinha o CDS. Em conversa com o ECO, o deputado João Gonçalves Pereira diz considerar positiva a disponibilização de ajudas a fundo perdido, sublinhando ainda assim que, se tivessem sido lançadas há alguns meses, poderiam ter permitido salvar algumas empresas.

O parlamentar lembra, além disso, que o CDS há muito que defendia o lançamento de apoios a fundo perdido e frisa que agora é preciso esclarecer melhor como irão funcionar as ajudas lançadas pelo Governo. “Importa saber como vão ser operacionalizadas”, afirma João Gonçalves Pereira.

Apesar de considerar estes apoios positivos, o deputado considera que arriscam chegar tarde demais ou não ser menos suficientes face às necessidades das empresas. “Podem ficar aquém das necessidades”, considera o centrista.

O Governo anunciou na quinta-feira a disponibilização de 1.550 milhões de euros às empresas, em créditos e apoios a fundos perdidos. Desse total, 750 milhões de euros são para subsídios a fundo perdido para micro e pequenas empresas dos setores mais afetados pela pandemia.

O restante valor divide-se em duas linhas de crédito (750 milhões de euros para a indústria exportadora e 50 milhões de euros para as empresas de apoio a eventos), podendo uma parte desses empréstimos ser convertida em apoios a fundos perdidos. Tudo somado, dos 1.550 milhões de euros, 910 milhões podem ser disponibilizados a fundo perdido.

O deputado João Gonçalves Pereira defende, por outro lado, que a carga fiscal deveria reduzida para ajudar as empresas e segurar o emprego. E avisa que é preciso “começar a pensar no momento de saída” as medidas de lay-off. Isto numa altura em que o Governo já disse que quer prolongar para 2021 o apoio à retoma progressiva, o sucedâneo do lay-off simplificado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CDS diz que apoios a fundo perdido são positivos, mas podem não ser suficientes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião