Governo decreta recolher obrigatório nos 121 concelhos de risco. No fim de semana recolher é às 13h00

O Governo decretou o recolher obrigatório nos 121 concelhos de risco, entre as 23 horas e 5 horas da manhã. Nos próximos dois fins de semana o recolher obrigatório começará mais cedo, às 13h00.

O Governo esteve reunido, este sábado, em Conselho de Ministros extraordinário, para concretizar as medidas que vão enquadrar o estado de emergência decretado na sexta-feira pelo Presidente da República e que vai vigorar entre segunda-feira e 23 de novembro.

A grande novidade é o anúncio de um recolher obrigatório nos 121 concelhos de risco, entre as 23 horas e as 5 horas da manhã. Além disso, nos próximos dois fins de semana haverá uma maior restrição no recolher obrigatório nestes mesmos 121 concelhos: nos próximos dois sábados e domingos, a circulação nestes concelhos ficará vedada a partir das 13h00 e até às 5h00.

O primeiro-ministro esclareceu que neste recolher obrigatório haverá exceções, nomeadamente: deslocações a trabalho, regresso ao domicílio, situações de emergência, passeio higiénico na proximidade da habitação ou o passeio de animais de estimação, entre outras.

António Costa reconheceu que esta é uma medida “fortemente restritiva da liberdade das pessoas” e será “duríssima para os setores da restauração e do turismo”. O primeiro-ministro explicou que durante os dois próximos fins de semana, nestes 121 concelhos, será possível que os restaurantes continuem a fazer entregas ao domicílio, mesmo depois das 13h00.

Em relação ao estado de emergência que vigorou em março, o primeiro-ministro afirmou que estas novas medidas “são mais intensivas ao sábado e ao domingo e menos intensivas nos dias da semana”.

O que vai mudar a partir de segunda-feira

António Costa afirmou que por causa da evolução da pandemia, as medidas que foram tomadas no Conselho de Ministros de 14 de outubro — que declarou a situação de calamidade em todo o território nacional — “não têm sido suficientes”.

Como tal, avança com mais um conjunto de medidas, para além da do recolher obrigatório:

  • Controlo de temperatura corporal no acesso a locais de trabalho, a estabelecimentos de ensino, a meios de transporte e a espaços comerciais, culturais e desportivos. No caso da recusa de medição de temperatura corporal ou nos casos em que a temperatura corporal for igual ou superior a 38.º C “pode determinar-se o impedimento no acesso aos locais mencionados”.
  • Testes de diagnóstico obrigatórios nos estabelecimentos de saúde, lares, estabelecimentos de ensino, nas entradas e saídas de território continental, por via aérea ou marítima, nos estabelecimentos prisionais e noutros locais por determinação da DGS.
  • A possibilidade de requisitar recursos, meios e estabelecimentos de saúde dos setores privado e social, após tentativa de acordo e mediante justa compensação.
  • Mobilização de recursos humanos para reforço da capacidade de rastreio. Aqui, o primeiro-ministro identificou 915 funcionários públicos que estão em casa por fazerem parte de grupos de risco ou em isolamento profilático, 128 professores sem componente letiva atribuída e ainda os militares das Forças Armadas para ajudarem nas tarefas de rastreio.

Antes de decretar o estado de emergência por um período de 15 dias, o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa ouviu o Governo, que deu parecer favorável na quinta-feira, e teve autorização da Assembleia da República, que foi dada na sexta-feira, com votos a favor de PS, PSD e CDS-PP, abstenções de BE, PAN e Chega e votos contra de PCP, PEV e Iniciativa Liberal.

O estado de emergência, que nunca tinha sido aplicado em Portugal em democracia, esteve em vigor entre 19 de março e 2 de maio, com duas renovações consecutivas, por um total de 45 dias.

Estes são os 121 concelhos que terão recolher obrigatório

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo decreta recolher obrigatório nos 121 concelhos de risco. No fim de semana recolher é às 13h00

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião