Mulher, lisboeta e letrada. Este é o perfil do teletrabalhador em Portugal

O teletrabalho é uma realidade para uma fatia significativa dos trabalhadores portugueses. Mas quem são? Maioritariamente mulheres com mais de 45 anos que vivem em Lisboa e têm o ensino superior.

Quase um quarto dos trabalhadores portugueses esteve em teletrabalho no segundo trimestre. No terceiro trimestre o número baixou, abrangendo 14% dos postos de trabalho, mas o regresso do teletrabalho obrigatório em 121 concelhos a partir de 4 de novembro deverá levar a um novo aumento no quarto trimestre. Mas quem é que está em teletrabalho? As estimativas do Instituto Nacional de Estatística (INE) permitem traçar um perfil do teletrabalhador “criado” pela pandemia.

Maioritariamente são mulheres, que residem na Área Metropolitana de Lisboa, com o ensino superior, a trabalhar no setor dos serviços e por contra de outrem. Estas são as características mais comuns entre os teletrabalhadores identificados pelos inquéritos ao emprego realizados pelo gabinete de estatísticas este ano.

Vamos aos números e aos pormenores. No caso do género, no segundo trimestre houve uma proporção significativamente mais elevada de mulheres a trabalhar remotamente, mas essa diferença face aos homens esbateu-se no terceiro trimestre, período em que 52,6% dos trabalhadores remotos por causa da Covid-19 eram mulheres.

Também mais de metade (54,8%) desses teletrabalhadores residiam na Área Metropolitana de Lisboa, 75,3% tinham o ensino superior e 92,8% eram trabalhadores por conta de outrem. Em termos de setores, a maioria encontra-se no setor dos serviços, sendo que 67,1% eram especialistas das atividades intelectuais e científicas. Uma parte significativa também trabalha no setor da educação.

No caso da educação, tal é explicado pelo encerramento quase total das escolas, o qual só foi revertido parcialmente para o ensino secundário (11.º e 12.º) quando se aproximavam os exames nacionais.

Este perfil de teletrabalhador é também o que mais usa as tecnologias de informação e comunicação, como o computador e a internet, para fazer o seu trabalho. O maior recurso tecnológico foi o correio eletrónico (email) e as videoconferências.

Em termos de horas trabalhadas a diferença é curta. Em média, o trabalhador remoto trabalhou durante 37 horas por semana, o que compara com 38 horas dos que trabalharam fora de casa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mulher, lisboeta e letrada. Este é o perfil do teletrabalhador em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião