Deco diz que 60% dos consumidores desconfiam dos produtos “amigos do ambiente”

Defesa do consumidor está a desenvolver o projeto CLEAN, que tem como principais objetivos prestar informação fiável e verificável e alertar os consumidores para alegações falsas ou abusivas.

A Deco Proteste quis saber o que pensam os consumidores portugueses dos produtos “amigos do ambiente” e descobriu que não só estão pouco informados sobre o tema como o sentimento que predomina é o de desconfiança. A associação portuguesa de defesa do consumidor, em conjunto com organizações congéneres de Espanha, Itália e Bélgica, está por isso a desenvolver o projeto CLEAN, que tem como principais objetivos prestar informação fiável e verificável e alertar os consumidores para alegações falsas ou abusivas. Até maio de 2021, o projeto estudará o setor dos detergentes domésticos.

Pouco informados e muito desconfiados das alegações ambientais – assim se consideram os consumidores que ouvimos num inquérito europeu sobre o impacto ambiental dos detergentes usados em nossas casas. Apesar da maioria dos consumidores (70%) prestar pelo menos alguma atenção ao impacto ambiental dos detergentes de uso doméstico quando os compram, apenas 16% são bastante influenciados”, revelou a Deco Proteste em comunicado.

São também muito poucos (12%) os que se consideram bem informados sobre o assunto e os restantes afirmam que não têm a informação mínima necessária.

“Esta desinformação, e aparente desinteresse, fundam-se na desconfiança com que olham para as alegações ambientais dos detergentes. Quase 60% dos portugueses consideram esta informação é uma mera estratégia de marketing, sem qualquer tradução prática e verdadeira”, acrescenta ainda a defesa do consumidor. A esmagadora maioria dos consumidores (93%) reclama uma uniformização da forma de apresentação das alegações ambientais: um “logótipo comum ou cores uniformizadas são duas das sugestões apresentadas”.

Estes dados estão em linha com as conclusões de uma ação no terreno recentemente dinamizada pela Deco Proteste em conjunto com o Continente, na área da Sustentabilidade, a qual revelou que “muitos consumidores entendem a importância do tema, mas consideram-se mal informados, e confiam pouco nas alegações apresentadas por muitos produtos, temendo que não passem de meras estratégias publicitárias”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Deco diz que 60% dos consumidores desconfiam dos produtos “amigos do ambiente”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião