Moody’s vê Portugal entre os países com maior “destruição económica” devido à pandemia

Agência de rating Moody's alerta que o elevado peso das PME no tecido empresarial português, italiano e grego aumenta os riscos para os três países.

A pandemia de Covid-19 está a afetar as economias mundiais de forma diferente e o elevado peso das pequenas e médias empresas (PME) em Portugal coloca o país na linha da frente do risco de destruição do tecido empresarial, a par da Grécia e de Itália. A conclusão é da agência Moody’s, que alerta para o impacto do vírus nos ratings das dívidas públicas em 2021.

Economias como a Grécia, Portugal (Baa3 positivo) ou Itália, em que as pequenas e médias empresas representam uma larga proporção do PIB e do emprego, irão sofrer uma destruição económica acrescida dadas as reservas mais baixas das empresas, as menores alternativas de financiamento e os horizontes mais curtos”, alerta a agência norte-americana numa nota divulgada esta terça-feira.

A Moody’s explica que há economias que irão recuperar melhor, apontando para economias com maior diversificação e flexibilidade. Exemplifica que os elevados níveis de digitalização e automação de países como a Coreia e os nórdicos da Europa (como Dinamarca) poderão ser beneficiados. Em sentido contrário, países muito dependentes do turismo ou petróleo irão enfrentar maiores desafios. Economias fortemente ligadas aos serviços como o Reino Unido ou França deverão estar do lado dos países penalizados. De qualquer forma, a perspetiva geral é negativa.

"As amplas consequências económicas da pandemia e das medidas adotadas pelos países para a conter, criaram choques económicos, orçamentais e sociais que irão durar em 2021 e muito depois.”

Moody's

O nosso outlook para a qualidade dos ratings soberanos em 2021 é negativa, a refletir as nossas expectativas para as condições fundamentais que guiam os ratings soberanos nos próximos 12 a 18 meses”, diz a Moody’s. “As amplas consequências económicas da pandemia e das medidas adotadas pelos países para a conter, criaram choques económicos, orçamentais e sociais que irão durar em 2021 e muito depois”.

Este impacto já se está a fazer sentir. Até esta segunda-feira, 65 (ou 60%) do total de 108 ações de rating soberano decididas este ano pela Moody’s foram negativas. A proporção fica muito abaixo da registada tanto em 2019 (20%) como em 2018 (30%). Desde 2016 — na altura do choque dos preços de petróleo — que não havia tantos downgrades, sendo que quase metade das revisões em baixas estiveram relacionadas com a pandemia. O próximo ano poderá trazer um agravamento.

A curto prazo, os soberanos com rating mais baixo serão os mais afetados negativamente dada a menor resistência a nível económico e institucional, bem como o acesso mais limitado a financiamento em comparação com soberanos com perfis de crédito mais forte. No entanto, a médio prazo, soberanos ao longo de todo o espetro de ratings irão enfrentar crescentes desafios de trade-offs políticos causados ou agravados pela crise”, acrescenta.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Moody’s vê Portugal entre os países com maior “destruição económica” devido à pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião