Cortiça da Amorim vai à boleia do elétrico da Mazda

A consola central do novo modelo elétrico da marca japonesa, o MX-30, é revestido com cortiça portuguesa.

A Cortiça da Amorim está presente no Japão há várias décadas através da Amorim Japan Corporation. Neste mercado específico a corticeira inovou com um produto tradicional nipónico — os tatâmis, ao colocar uma camada de cortiça sob o tradicional revestimento que remonta ao período Nara. Do tapetes à indústria automóvel, a Corticeira Amorim foi a empresa escolhida pela Mazda para integrar o revestimento da consola do modelo elétrico MX-30. A cortiça foi selecionada pelo facto de tratar-se de uma matéria-prima natural, sustentável e biodegradável, contribuindo, assim, para reduzir a pegada ambiental do novo modelo da insígnia japonesa.

“Os automóveis já não servem apenas para deslocar os passageiros do ponto A ao ponto B, pelo que é importante aumentar o prazer durante as viagens. Isto é, fazer com que as pessoas apreciem o tempo que estão no carro”. Assim, ao colocar cortiça no interior do veículo, este assume um visual único, intensificando a sensação de contacto, equilíbrio e harmonia com a natureza”, conta Tomiko Takeuchi, project manager do novo modelo da Mazda MX-30, citado em comunicado.

O presidente e CEO da Corticeira Amorim, António Rios de Amorim, realça ainda outros benefícios da utilização da cortiça “como a segurança, a extensa durabilidade e facto de tratar-se de um material hipoalergénico. Uma matéria-prima por natureza tão excecional que poderia parecer impossível melhorá-la à partida. Mas é precisamente isso que a Corticeira Amorim tem levado a cabo nos últimos anos, promovendo programas estruturados de inovação, apostando na diferenciação pela ímpar qualidade, e contribuindo como nenhum outro player no setor para a reinvenção deste singular recurso natural”.

Para a Corticeira que conta com 150 anos de história, a integração da cortiça no interior do novo Mazda MX-30 é mais uma conquista alinhada com a missão da empresa “acrescentar valor à cortiça de forma competitiva, diferenciada e inovadora, em perfeita harmonia com a Natureza”.

A Cortiça da Amorim que já está presente no Japão através dos típicos tapetes japoneses, os tatâmis, alcança novamente o mercado japonês desta vez como foco no ramo automóvel.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cortiça da Amorim vai à boleia do elétrico da Mazda

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião