Portugal não terá retoma rápida, prevê a The Economist

  • ECO
  • 11 Novembro 2020

Economist Intelligence Unit destaca que retoma de Portugal para 2021 deverá ser lenta, mas o país corre riscos reduzidos de cair novamente numa crise bancária devido à proteção do BCE e apoios UE.

A Economist Intelligence Unit (EIU) diz que a retoma de Portugal para o próximo ano deverá ser lenta, mas que o país corre riscos reduzidos de cair novamente numa crise bancária devido à proteção do Banco Central Europeu (BCE) e dos apoios da União Europeia, avança o Diário de Notícias (acesso pago).

“Portugal está a ser afetado por uma recessão económica acentuada e as suas finanças públicas estão-se a deteriorar rapidamente. No entanto, o apoio do BCE está a manter os custos de financiamento em mínimos históricos”, dizem os economistas da unidade.

A EIU lembra que a atual crise de saúde vai “conduzir a uma contração substancial do Produto Interno Bruto (PIB) real de pelo menos 8% em 2020” e que no próximo ano a economia portuguesa vai sentir o “impacto duradouro do coronavírus no turismo, um risco negativo que impedirá uma recuperação rápida”. No entanto, destacam que “as medidas de política europeia irão limitar o risco de uma crise bancária ou soberana”. O Governo antecipa uma queda da economia de 8,5% este ano, e o Banco de Portugal 8,1%.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Portugal não terá retoma rápida, prevê a The Economist

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião