Faber lança fundo de 20,5 milhões. Quer investir em startups de dados ibéricas

Sociedade de capital de risco apresenta Faber Tech II, focado em startups que aceleram a transformação digital de empresas através de machine learning e inteligência artificial.

A equipa da Faber, liderada por Alexandre Barbosa (à esquerda).D.R.

A Faber lança esta quinta-feira o Faber Tech II, um novo fundo de 20,5 milhões de euros (em 2021, a Faber continuará o processo de recolha de capital, com um objetivo mínimo de 30 milhões de euros) para investir em startups ibéricas que trabalhem a área dos dados, em soluções relacionadas com a transformação digital de empresas através de mecanismos de machine learning e inteligência artificial, entre outras tecnologias. O novo fundo conta com uma equipa de mais de 20 especialistas de áreas distintas, incluindo o professor Mário Figueiredo do Instituto Superior Técnico como “Professor-in-residence”, assinala a Faber em comunicado.

O novo fundo, especializado em investimentos em fase inicial (pré-Série A), já investiu nas rondas das startups portuguesas SWORD Health (Série A de 15,6 milhões de euros), YData (a liderança da ronda pré-seed) e Emotai (participação na ronda pré-seed), acrescenta a Faber, em comunicado.

“A conclusão com êxito da primeira fase de subscrição deste fundo permite-nos antever um crescimento na procura deste tipo de investimento, numa altura em que vivemos uma nova era na qual a transformação digital através da inteligência artificial, do machine learning, da ciência de dados e de outras avançadas tecnologias são cada vez mais relevantes para as empresas e os seus negócios”, assinala Alexandre Barbosa, fundador e managing partner da Faber, citado em comunicado.

Depois de um ciclo inicial de investimentos, que arrancou em 2013, a Faber volta a reforçar a aposta no empreendedorismo focado na transformação digital e tecnologias de processamento de dados. Entre os primeiros investimentos da Faber estão nomes como a Seedrs (plataforma de equity crowdfunding), a Unbabel, a Codacy e a Hole19.

O Faber Tech II será gerido a partir de Lisboa, liderado por uma equipa composta por Alexandre Barbosa, Carlos Silva, Rui Melo de Carvalho e Sofia Santos. Além de vários investidores privados (particulares e institucionais), o Faber Tech II tem como investidores “âncora” o Fundo Europeu de Investimento (FEI) – maior investidor institucional Europeu nesta classe de ativos – e a Instituição Financeira de Desenvolvimento (IFD) que, em conjunto, assumiram um compromisso de 15 milhões de euros ao abrigo do Plano Juncker e do programa Portugal Tech.

“O investimento em capital de risco é essencial no financiamento e crescimento das startups mais inovadoras. Este investimento, que é já o quarto no âmbito do programa Portugal Tech, vem reforçar o nosso compromisso firme de apoiar o ecossistema empreendedor Português e de atrair mais investidores privados para este mercado”, assinala o vice-presidente do BEI, Ricardo Mourinho Félix, a propósito do lançamento deste novo fundo.

Na equipa e rede de especialistas estão empreendedores como Anthony Douglas (cofundador e CEO da Hole19), Diogo Mónica (cofundador e presidente da Anchorage), Jaime Jorge (cofundador e CEO da Codacy), Jeff Lynn (cofundador e executive chairman na Seedrs), João Ferro Rodrigues (cofundador e CEO da Bugle), João Graça (cofundador e CTO da Unbabel), Pedro Bizarro (cofundador & Chief Science Officer da Feedzai), Ricardo Oliveira (cofundador e CTO da Thousand Eyes), Sofia Quintero (cofundador e CEO da EnjoyHQ), Vasco Pedro (cofundador e CEO da Unbabel) e Virgílio Bento (cofundador e CEO da SWORD Health). Como representantes da indústria estão nomes como os de Filipe Almeida (Senior Security Engineer na Snap), Gabriel Coimbra (Group VP e Country Manager da IDC), Gonçalo Serpa Pinto (Senior Partner na McKinsey), Marco Costa (SVP International Corporate Development e General Manager EMEA da Talkdesk), Rafael Achaerandio (Data & AI, IoT Sales Lead da Microsoft) e Rita Waite (Head of Payments Innovation do Millennium BCP).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Faber lança fundo de 20,5 milhões. Quer investir em startups de dados ibéricas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião