Google Trends: Vacina da Pfizer dá esperança aos portugueses em tempo de crise

  • Tiago Lopes
  • 14 Novembro 2020

A vacina contra a Covid-19 da Pfizer tem uma eficácia superior a 90%. Lá fora, Donald Trump quer lançar um canal de televisão. Nos negócios, prejuízos da Farfetch quintuplicaram.

Não é por acaso que “confinamento” é a palavra do ano para a HarperCollins. Todos os dias há novas notícias sobre o coronavírus e esta semana não foi exceção. O anúncio de que a vacina que está a ser desenvolvida pela Pfizer tem uma eficácia superior a 90% veio trazer ânimo e esperança, num ano que está a ser particularmente difícil.

Outra notícia que marcou as pesquisas no Google em Portugal foi a divulgação das novas regras para serem aplicadas durante o período de recolher obrigatório, mais a lista de concelhos de alto risco que foi alvo de alterações na quinta-feira e que crescerá para 191 já na segunda-feira.

A nível nacional, as buscas na SAD do Benfica também despertaram a atenção dos portugueses.

Cá dentro

O ano de 2020 fica inevitavelmente marcado pela pandemia. E o tema tem entrada direta na lista das cinco notícias mais procuradas no Google quase todas as semanas.

Por isso, não é estranho que a palavra do ano para a HarperCollins, grupo que edita o dicionário de inglês Collins, seja “confinamento”. A editora registou mais de 250 mil utilizações desta palavra este ano.

A segunda vaga da pandemia tem levado o Governo a anunciar novas medidas de controlo, como o recolher obrigatório a partir das 13h00 em mais de uma centena de concelhos este fim de semana.

Na quinta-feira, o Executivo atualizou a lista de concelhos com maior risco por causa da Covid-19. Tirou sete… mas juntou 77. A partir de segunda-feira, serão 191 concelhos com regras mais apertadas de combate ao novo coronavírus.

Mas nem tudo são más notícias.A vacina experimental contra a Covid-19 que está a ser desenvolvida pelo consórcio Pfizer/BioNTech tem mais de 90% de eficácia, revelou o consórcio esta semana. Os dados animaram um mundo que anseia por uma saída desta crise.

“Hoje é um grande dia para a ciência e para a humanidade. O primeiro conjunto de resultados do nosso ensaio clínico de fase três da vacina da Covid-19 fornece evidências iniciais da capacidade da nossa vacina de prevenir a Covid-19″, afirmou o chairman e presidente executivo da Pfizer, Albert Bourla.

Todos precisávamos de uma notícia assim, e não demorou muito para que as principais bolsas europeias reagissem de forma positiva. Wall Street também não ficou indiferente, com os investidores a aplaudirem a notícia da Pfizer, juntamente com a eleição do novo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden.

Apesar de os dados da Pfizer ainda serem preliminares, a farmacêutica anunciou que espera ter a vacina disponível ainda em 2020. Para tal, vai pedir uma autorização de emergência nos EUA para uso da vacina perto do final de novembro. Se tudo correr bem, a farmacêutica conta ter doses suficientes para imunizar entre 15 milhões e 20 milhões de pessoas até ao fim do ano. No ECO, preparámos um artigo onde explicamos como funciona e quando vai chegar a vacina da Pfizer.

O futebol é outro dos temas que recorrentemente nas pesquisas do Google. A Polícia Judiciária esteve no início da semana na SAD do Benfica e do Santa Clara, para realizar buscas por suspeitas de corrupção desportiva. O presidente do clube encarnado, Luís Filipe Vieira, foi um dos principais alvos da PJ, numa operação que foi conduzida pelo juiz de instrução Carlos Alexandre.

Lá fora

Nos negócios

  • Prejuízos da Farfetch quintuplicaram. Em comparação com o mesmo período de 2019, o grupo de ADN português teve um aumento de prejuízos para 537 milhões de euros. Apesar das perdas, os investidores aplaudiram. A Farfetch conseguiu aumentar o volume de negócios em 60% comparando com o mesmo período do ano passado, totalizando 798 milhões de dólares.
  • Sputnik V. com 92% de eficácia. Depois de a Pfizer anunciar que a vacina experimental contra a Covid-19 tem uma eficácia superior a 90%, a Rússia veio anunciar que a vacina Sputnik V. tem uma eficácia de 92% na proteção de pessoas contra o novo coronavírus. O resultado dos testes teve como base uma amostra de de 16.000 participantes, que receberam duas doses da vacina.
  • Lydia reforça aposta em Portugal. A app financeira francesa Lydia chegou ao mercado português para concorrer com alternativas como a Revolut, N26 e Monese. “O nosso objetivo é acompanhar os nossos utilizadores portugueses, diariamente, em todos os seus pagamentos”, disse Carlota Meirelles, líder da delegação portuguesa da Lydia.

Nota: A Google Trends é uma rubrica semanal, publicada aos fins de semana, que resume os temas mais populares da internet com base na ferramenta homónima da Google. É assinada pelo jornalista do ECO Tiago Lopes.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Google Trends: Vacina da Pfizer dá esperança aos portugueses em tempo de crise

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião