“Confinamento” é a palavra do ano

  • Lusa
  • 10 Novembro 2020

Editora do dicionário de inglês Collins registou mais de 250 mil utilizações da palavra "confinamento" este ano. "Distanciamento social", "auto isolamento" e "trabalhador essencial" constam na lista.

O “confinamento”, medida restritiva adotada por Governos de todo o mundo para limitar a propagação do novo coronavírus, foi esta terça-feira designada palavra do ano 2020 pela HarperCollins, anunciou o grupo que edita o dicionário de inglês Collins.

“Lockdown” (confinamento, em português) faz parte de uma lista de dez outras palavras, muitas das quais relacionadas com a pandemia de covid-19, estabelecida pelos lexicógrafos da HarperCollins que estudam a evolução da língua inglesa.

A editora registou mais de 250 mil utilizações da palavra “confinamento” em 2020, contra apenas 4000 no ano anterior.

“A língua é o reflexo do mundo que nos rodeia e 2020 foi dominado pela pandemia. Escolhemos ‘confinamento’ como palavra do ano porque resume a experiência partilhada por milhares de milhões de pessoas que tiveram de restringir a sua vida quotidiana para conter o vírus”, referiu num comunicado a consultora de conteúdos linguísticos da HarperCollins, Helen Newstead.

No Reino Unido, o território europeu mais afetado pela pandemia, com mais de 49 mil mortos, os habitantes de Inglaterra estão novamente confinados desde 05 de novembro, depois do primeiro confinamento geral decretado no final de março.

Na lista elaborada pela HarperCollins figuram ainda outras palavras associadas à pandemia, tais como a previsível “coronavírus”, além de “distanciamento social”, “auto isolamento” e “trabalhador [de serviço] essencial”.

A abreviatura “BLM” também se destacou em 2020, lembrando outro marco do ano, que foram as manifestações do movimento “Black Lives Matter” (Vidas Negras Contam) após o assassinato de George Floyd, afro-americano que morreu asfixiado pelo joelho de um polícia branco em Mineápolis, no final de maio.

As redes sociais, regulares fornecedoras de novas palavras, levaram à inclusão dos termos “TitToker” (utilizador da rede social TikTok) e “mukbang”, um fenómeno da Coreia do Sul que consiste em filmar-se a si mesmo enquanto se empanturra com comida, ao mesmo tempo que interage com os seus seguidores nas redes sociais.

A última palavra da lista, “Megxit”, é uma contração de “Meghan” e “Exit” (saída), uma alusão ao “Brexit” utilizada para referir a retirada da família real britânica por parte do príncipe Harry e da sua mulher Meghan, anunciada em janeiro.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

“Confinamento” é a palavra do ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião