BCP sobe quase 10% e dá ganhos à bolsa de Lisboa

A bolsa nacional encerrou a sessão desta quarta-feira com uma valorização superior a 1%, acompanhando as subidas da Europa. O setor da banca esteve em destaque com o BCP a subir quase 10%.

O PSI-20 valorizou 1,19% para os 4.417,72 pontos, após uma queda de 1,37% na sessão anterior. A beneficiar a negociação bolsista na Europa esteve a notícia de que a vacina da Pfizer/BioNTech registou uma eficácia de 95% nos resultados finais, o que levará a empresa a pedir a aprovação dos reguladores nos próximos dias.

A maior subida da sessão lisboeta foi registada pelo BCP, cujas ações subiram 9,87% para os 11,35 cêntimos, caminhando para mais uma semana de ganhos acima de 10% após ter subido mais de 30% na semana passada. A cotada está a recuperar das fortes quedas que registou nas semanas anteriores, negociando em máximos de junho deste ano. Ou seja, ainda assim permanece abaixo do nível pré-pandemia.

A subida desta quarta-feira do BCP surge no dia em que o CaixaBank/BPI divulgou uma nota de research em que recomenda a compra de ações do banco. Os analistas antecipam que os lucros do BCP continuarão a ser pressionados, mas consideram que a ação está a negociar com “desconto” face aos pares europeus.

No entanto, com apenas quatro cotadas em terreno negativo, o BCP não foi a única cotada a puxar pelo índice nacional. A Semapa valorizou 3,45% para os 8,09 euros, a Mota Engil subiu 2,92% para os 1,4 euros — após ter ganho um novo contrato — e a Pharol somou 2,85% para os 10,84 cêntimos.

Contra a maré esteve a Ibersol, com uma queda de 1,34%, para 4,43 euros, e a REN, com uma desvalorização de 1,32%, para os 2,23 euros. A Galp e a Sonae também desvalorizaram, mas a queda foi curta. No caso da petrolífera, a negociação tem sido particularmente volátil, tendo afundado no início da pandemia por causa da queda do petróleo e recuperado parcialmente com as boas notícias das vacinas.

Na Europa, o Stoxx 600, o índice que agrega as 600 principais cotadas europeias, subiu 0,44% para os 390,52 pontos, tendo beneficiado também da renovada esperança relativamente a uma vacina contra o novo coronavírus.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCP sobe quase 10% e dá ganhos à bolsa de Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião