PSD não se opõe a prolongamento do estado de emergência

PSD não se pronuncia sobre as medidas concretas que Governo poderá aplicar, defendendo apenas que devem ser iguais para todos. Critica assim o PCP pela realização do congresso.

O PSD não se opõe a um prolongamento do estado de emergência, adiantou Nuno Morais Sarmento. O partido não vai “obstaculizar” que se mantenha por mais tempo o “quadro legal extraordinário para que o Governo possa tomar determinadas medidas”, disse, à saída da reunião com Marcelo Rebelo de Sousa.

“Entendendo o Presidente da República e o Governo que é necessário prolongar o quadro legal para que o Governo possa tomar determinadas medidas, o PSD está de acordo, não obstaculiza que quadro legal se mantenha“, adiantou o vice-presidente social-democrata, em declarações transmitidas pela RTP 3.

Quanto às medidas específicas a serem tomadas, o social-democrata aponta que nenhuma foi discutida com o Presidente. Sublinha, ainda assim, que a comunicação das medidas “tem de passar a ser feita de forma coerente e clara”, nomeadamente para evitar confusões e deixar os “portugueses com segurança”.

Para além disso, defende que as “decisões têm de ser iguais para todos”, apontando que o partido não entende as diferentes regras aplicadas durante o fim de semana de recolher obrigatório. Aponta assim o dedo ao PCP por continuar a planear realizar o congresso, referindo que o PSD decidiu não realizar o congresso da Madeira, um “exercício de bom senso”.

PSD critica “absurdo número de propostas de alteração”

Quanto aos avanços no Orçamento do Estado, cujo debate na especialidade vai começar esta sexta-feira, o vice-presidente do PSD salientou apenas o “completo absurdo número de propostas de alteração”. Para Nuno Morais Sarmento, este é um indicador de que o documento ainda poderá “piorar significativamente”.

O vice-presidente social-democrata apontou que este é um orçamento que o primeiro-ministro decidiu que seria com contributo das propostas do Bloco e PCP, e que, com a quantidade de alterações que todos os partidos querem fazer no documento, este “só tende a piorar”. “Já era na sua proposta inicial e o resultado final pode ser ainda francamente pior”, reiterou.

Nuno Morais Sarmento sublinhou que este Orçamento do Estado já tem mais de 1.400 propostas de alteração na especialidade, número que apelida de um “disparate”, apontando que é “completamente absurdo” ter este volume.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSD não se opõe a prolongamento do estado de emergência

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião