Hoje nas notícias: Segurança Social, multas no lixo e testes à Covid

  • ECO
  • 18 Novembro 2020

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

O Serviço Nacional de Saúde gastou pelo menos 54 milhões de euros com testes à Covid-19 realizados no setor privado. E a Segurança Social fez cortes ilegais nos apoios sociais a quem esteve em lay-off. É notícia também que o atraso na aprovação da “bazuca” de 1,8 biliões de euros da Europa poderá atingir cerca de 1.500 milhões de euros do Orçamento do Estado para 2021.

SNS gasta mais de 50 milhões com testes à Covid no setor privado

O SNS gastou pelo menos 54 milhões de euros em testes moleculares para detetar casos de infeção pelo novo coronavírus junto dos laboratórios privados. Dos mais de quatro milhões de testes à Covid já realizados, 45% foram realizados no setor privado, tanto como no setor público. Os restantes 10% tiveram lugar em laboratórios universitários. Leia a notícia completa no Público (acesso pago).

Câmaras vão multar quem não fizer separação do lixo

O Governo quer alargar a recolha seletiva do lixo às habitações e os municípios vão ter um papel importante na vigilância. As autarquias vão passar a aplicar coimas a quem não fizer a separação do lixo e poderão alterar as tarifas. Por outro lado, o fornecimento de cartuxos e sacos será proibido. Leia a notícia completa no Jornal de Notícias (acesso pago).

Segurança Social faz cortes ilegais a quem esteve em lay-off

Apesar de a Segurança Social ter garantido em abril que não iria penalizar quem esteve em situação de lay-off no na carreira contributiva, há queixas de que não é isso que está a acontecer. Confrontado com esta situação, o Instituto da Segurança Social (ISS) assegurou que vai corrigir os registos e proceder ao pagamento dos retroativos aos trabalhadores que tenham sido penalizados no cálculo dos apoios sociais, como subsídios de desemprego, doença ou parentalidade. Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso pago)

Atraso no dinheiro europeu pode afetar 1.500 milhões do OE

Hungria e Polónia vetaram a resposta europeia à crise pandémica. Os dois países bloquearam o Next Generation EU e quadro financeiro plurianual, para o período de 2021-2027, provocando um atraso na aprovação da “bazuca” de 1,8 biliões de euros da Europa que poderá atingir cerca de 1.500 milhões de euros do Orçamento do Estado para 2021. São 500 milhões de investimento, que estavam previstos no âmbito do Programa de Recuperação e Resiliência, que ficam em risco, além do financiamento previsto através do REACT-EU para o próximo ano. Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso pago)

Preço da fruta aumentou 20% desde março

Com o confinamento, os portugueses deixaram de comprar grande parte dos produtos que habitualmente adquirem nas lojas ou espaços comerciais. Reduziram o consumo a produtos essenciais, como a alimentação. Nesse período em que praticamente tudo ficou mais barato, os bens alimentares registaram um agravamento, entre eles a fruta. Desde março até agora, o preço desta regista um aumento de 20%. Leia a notícia completa no Dinheiro Vivo (acesso livre)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: Segurança Social, multas no lixo e testes à Covid

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião