80% dos concelhos de risco elevado são do Norte. Veja o mapa

Se o país for dividido em escalões de risco de Covid-19, a esmagadora maioria dos concelhos com restrições mais apertadas poderão localizar-se a Norte do país.

Os concelhos do Norte do país ocupam quase 80% da lista de municípios que poderão fazer parte do escalão de maior risco de infeção por Covid-19, aqueles que terão as medidas de controlo mais apertadas numa eventual renovação do estado de emergência. Esta região ocupa também praticamente metade da lista de municípios no escalão intermédio.

Na terça-feira, à saída de uma reunião com o Presidente da República, José Luís Ferreira, deputado do PEV, revelou que o Governo está a estudar dividir o país em três escalões, adaptando as medidas de controlo da pandemia consoante o risco de contágio pelo novo coronavírus. Já esta quarta-feira, com base nos últimos dados, o ECO publicou listas provisórias com os concelhos que preenchem os requisitos, nos termos revelados pelo deputado:

  • No escalão das restrições mais apertadas poderão entrar os concelhos com mais de 960 casos por 100 mil habitantes;
  • no escalão intermédio poderão entrar os que tenham entre 480 e 960;
  • e o escalão mais baixo deverá contemplar aqueles municípios em que a incidência se cifre entre 240 e 480 casos.

Ora, com base na análise dos dados da Direção-Geral da Saúde (DGS), quase 80% dos concelhos na lista daqueles que poderão ser sujeitos a restrições mais apertadas são no Norte do país: concretamente, 22 de 28 concelhos que preenchem os requisitos para serem sujeitados a regras mais rígidas de combate à pandemia.

No caso do escalão intermédio, quase metade são também no Norte, mais concretamente 33 nesta região de um total de 62 concelhos que preencherão o critério indicado por José Luís Ferreira. Oito são em Lisboa e Vale do Tejo, 12 são no Centro e nove são no Alentejo.

Mapas dos concelhos no escalão mais alto (a vermelho) e no escalão intermédio (a laranja):

Com base no critério indicado pelo deputado José Luís Ferreira (PEV).

Há ainda um total de 98 concelhos num terceiro escalão de risco, e 120 concelhos que poderão ficar livres de entrar neste sistema de escalões.

Este facto mostra a gravidade da pandemia no Norte do país, região que tem vindo a reportar a maioria dos novos casos de Covid-19 em Portugal. No último boletim da DGS, foram detetados 2.941 novos casos no Norte, contra 812 novos casos em Lisboa e Vale do Tejo, a segunda região mais afetada.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

80% dos concelhos de risco elevado são do Norte. Veja o mapa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião