TaskRabbit chega a Portugal. Empresa do IKEA quer ajudar a criar empregos

  • Lusa e ECO
  • 19 Novembro 2020

A empresa de serviços domésticos e reparações TaskRabbit, comprada em 2017 pelo dono da cadeia IKEA, chega esta semana a Portugal. Quer apoiar os consumidores e ajudar a criar empregos.

A plataforma TaskRabbit chega esta quinta-feira a Portugal para ajudar a criar oportunidades de trabalho, esperando alcançar 50.000 utilizadores durante o primeiro ano, disse esta quinta-feira a responsável pelo mercado português, Begüm Zarmann, à Lusa.

“Somos basicamente uma rede que visa tornar o dia-a-dia um pouco mais fácil”, que conecta a comunidade local com pessoas “qualificadas” que prestam serviços em várias áreas, desde a montagem de móveis, canalização, limpeza, reparações domésticas, entre outros, explicou a diretora da TaskRabbit Europa e responsável pelos mercados alemão, espanhol e agora o português, Begüm Zarmann.

Se por um lado, a plataforma digital permite “oferecer oportunidades de trabalho para as comunidades locais”, através de uma rede onde se inscrevem a oferecer os seus serviços, por outro é garantida a “oferta de um sistema que seja conveniente, rápido e de alta qualidade, onde as pessoas podem obter ajuda em casa”, acrescentou a responsável.

A norte-americana TaskRabbit, que em 2017 foi comprada pelo grupo Ingka (dono da cadeia Ikea), começou como uma startup (empresa em início de atividade com potencial de crescimento rápido) em 2008, criada por Leah Busque, em Boston. A ideia desta plataforma digital surgiu da necessidade de Busque em comprar comida para o cão, mas não ter literalmente tempo para o fazer.

“Damos acesso a 95 milhões de pessoas em todo o mundo aos nossos serviços. Agora, Portugal é o sétimo país e temos mais 10 milhões”, afirmou Begüm Zarmann, salientando que este é o primeiro país em que a TaskRabbit faz um lançamento nacional.

“Normalmente entramos em áreas específicas e depois crescemos” no mercado, explicou.

A partir desta quinta-feira, esta rede digital conta já com 4.500 registos em Portugal.

“São bem-vindos todos aqueles que queiram oferecer os seus serviços” em cerca 50 categorias disponíveis na plataforma, os denominados ‘taskers’, definindo a área onde prestam serviço, que pode também passar por ir às compras pelos clientes.

A plataforma garante que todos os ‘taskers’ passam por um processo de verificação, desde a sua identificação, competências sobre os serviços que prestam, a fim de garantir uma oferta fiável para os clientes.

São os ‘taskers’ que definem as suas próprias tarifas e, normalmente, conseguem auferir mais do dobro do salário mínimo local, segundo a empresa. Em Portugal, a TaskRabbit estima que a remuneração dos ‘taskers’ seja, em média, 12 euros por hora, aumentando em serviços mais especializados.

O modelo de negócio desta rede passa pela cobrança de uma taxa aos clientes que contratam os ‘taskers’, a qual garante “a segurança durante todo o processo” e que serve de garantia até 10.000 euros se algo correr mal durante um serviço contratado.

Portugal estava “no radar” da empresa há muito tempo e, apesar da pandemia, a TaskRabbit decidiu entrar, nomeadamente por ser uma oportunidade de criação de trabalho, mas também de facilitador da vida dos consumidores.

“Portugal é um país chave para os nossos esforços de expansão, em primeiro lugar porque tem um forte ecossistema de ‘startups’“, além de que a relação dos consumidores portugueses com a Ikea “coloca-nos numa forte posição desde o início”, salientou.

“Há fatores externos [a pandemia], mas estimamos que durante o próximo ano tenhamos 50.000 novos utilizadores na plataforma em Portugal”, disse, quando questionada sobre qual a meta para o mercado português.

A empresa conta com a ligação à Ikea para prestar serviços de montagens de móveis. Em período de pandemia, a plataforma espera ajudar as pessoas a criar “oportunidades de trabalho ou a ter um complemento salarial”, ao fazer trabalhos extra, como um segundo emprego.

“Podem escolher em criar o seu próprio negócio e oferecer os seus serviços através da TaskRabbit. Ou até ajudar pequenos negócios em focarem-se na sua área de especialização“, salientou Begüm Zarmann.

Durante a pandemia, a TaskRabbit está a reembolsar o valor dos equipamentos de proteção individual, de forma a garantir que os ‘taskers’ estejam em segurança durante a realização das suas tarefas. No ano passado, mais de um milhão de clientes usaram a plataforma e ‘taskers’ ganharam mais de 130 milhões de euros.

IKEA reforça parceria com CTT e atualiza app

Esta quinta-feira, a IKEA anunciou o reforço da parceria com os CTT até ao final do ano, permitindo a partir de agora que os clientes enviem as suas encomendas para um dos 1881 pontos de contacto que integram a rede de Lojas CTT, Pontos CTT, Cacifos 24H e agentes Payshop.

A IKEA comunicou ainda a atualização da app, que vem substituir a versão anterior. Na aplicação os clientes podem criar listas de compras, verificar os stocks dos produtos, a sua localização, materiais ou dimensões.

“Acreditamos que esta nova app será, verdadeiramente, uma mais-valia para a maioria das pessoas, uma vez que irá permitir aceder ao mundo IKEA a qualquer hora e a partir de qualquer lugar. Seguindo a nossa estratégia de acessibilidade, quisemos dar aos nossos clientes uma ferramenta que, não só os inspire, mas também lhes permita ter acesso a soluções de design funcionais, bonitas e a preços baixos, de uma forma rápida, fácil e intuitiva, independentemente de onde estiverem”, sublinha Michaela Quinlan, commercial manager da IKEA Portugal, citada em comunicado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

TaskRabbit chega a Portugal. Empresa do IKEA quer ajudar a criar empregos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião