Dona do IKEA investe 3,8 mil milhões em sustentabilidade até 2030

O grupo sueco Ingka vai levar a cabo uma revisão dos eus fundos de investimento globais e locais, em 31 países, para garantir este alinhamento com os padrões ESG.

O grupo sueco Ingka anunciou que irá investir cerca de 600 milhões de euros nos próximos 12 meses para acelerar o processo de transição energética e alcançar o compromisso global de ter uma operação neutra em carbono até 2030. Com este movimento, o investimento da emporesa em sustentabilidade representará 3,8 mil milhões de euros.

Através da Ingka Investments, o Grupo Ingka tem vindo a investir, desde 2009, em empresas inovadoras que apoiam os objetivos de sustentabilidade, incluindo o cumprimento da meta de produzir 100% de energia renovável. Neste contexto, em 2018, a IKEA Portugal passou a deter o Parque Eólico do Pisco, com 25 turbinas, que produz energia renovável equivalente à que consomem cerca de 30 lojas. O próximo passo passará por investir em empresas e soluções com um impacto direto no cumprimento do Acordo de Paris e nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas.

“Acreditamos que um bom negócio é ser um bom negócio. Apesar dos desafios significativos que enfrentamos no mundo, ainda temos nas nossas mãos a mudança de direção da crise climática. Queremos fazer parte da solução, por isso continuaremos a focar os nossos investimentos futuros para garantir uma recuperação mais limpa, mais verde e mais inclusiva”, afirmou Juvencio Maeztu, CEO Deputy e CFO do Grupo Ingka, em comunicado.

No início deste ano, a IKEA anunciou que reduziu a sua pegada climática em 4,3%, quando o negócio teve 6,5% de crescimento. A empresa possui atualmente 546 turbinas eólicas em 14 países, dois parques solares com 1,5 milhões de painéis solares, e mais de 920.000 painéis solares nos telhados das lojas e armazéns IKEA. Estes investimentos contribuíram para que o Grupo Ingka atingisse a sua meta de produzir tanta energia renovável quanto a que consome.

O Grupo Ingka está também a implementar uma medida de utilização de zero combustível fóssil, para se alinhar com os novos padrões da ESG (Environmental, Social and Corporate Governance). Além disso, também será realizada uma revisão dos fundos de investimento globais e locais, em 31 países, para garantir este alinhamento com os padrões ESG.

Nos últimos anos, o Grupo Ingka também investiu e colabora com empresas como: RetourMatras, empresa que recicla mais de 90% dos materiais de um colchão; Morssinkhof Rymoplast, líder na indústria europeia de reciclagem de plástico; Winnow, que desenvolveu uma solução de filtragem de resíduos de alimentos, para ajudar a reduzir o desperdício de alimentos em cozinhas comerciais; Aerofarms, empresa de agricultura urbana interna; Terramera, que trabalha com biopesticidas; e Optoro, fornecedora de plataforma de software de logística para retalhistas.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dona do IKEA investe 3,8 mil milhões em sustentabilidade até 2030

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião