Wall Street afasta-se de recorde. Desemprego voltou a subir

As bolsas norte-americanas estão a perder valor, depois de o Departamento do Trabalho ter revelado um aumento no número de pedidos de subsídio de desemprego na última semana.

As bolsas norte-americanas estão a perder valor, reagindo negativamente à imposição de novas medidas de confinamento para travar a pandemia nos EUA e em várias regiões do globo. Os investidores também estão a afastar-se de ativos de maior risco perante o aumento do número de pedidos de subsídio de desemprego na última semana, um sinal pouco animador sobre o mercado laboral.

O S&P 500 e o Dow Jones estão novamente a afastar-se dos recordes alcançados esta semana, depois de duas vacinas experimentais contra a Covid-19 terem gerado resultados muito acima das expectativas, ditando o tom daquilo que se espera que seja o início do fim da pandemia. Mas a euforia dos investidores resfriou. O índice de referência está a cair 0,38%, para 3.554,28 pontos, enquanto o índice industrial perde 0,45%, para 29.307,2 pontos. O tecnológico Nasdaq cede 0,13%, para 11.786,39 pontos.

Antes da abertura das bolsas, o Departamento do Trabalho revelou que o número de pedidos de subsídio de desemprego nos EUA, ajustado ao efeito da sazonalidade, atingiu os 742 mil na semana passada, uma subida face aos 711 mil registados na semana anterior. Este indicador continua significativamente acima da média do período pré-pandemia e há várias semanas que o número vinha a cair lentamente, pelo que a subida está a causar nervosismo nos mercados de capitais.

Entre as empresas em queda está a Amazon, que desvaloriza 0,49%, assim como a Apple, cujas ações recuam 0,29%. A Tesla continua em destaque, beneficiando da decisão anunciada esta semana de que a fabricante vai mesmo ser integrada no S&P 500, já no próximo dia 21 de dezembro. Os títulos da empresa presidida por Elon Musk estão a ganhar 2,43%, para 498,46 dólares.

Na indústria, a Boeing volta a destacar-se com uma valorização acima de 1%, para 205,4 dólares. Na quarta-feira, o regulador norte-americano da aviação civil deu novamente “luz verde” ao 737 Max, um modelo de avião cujos voos foram suspensos após dois desastres que mataram mais de três centenas de pessoas.

Em destaque estão também os títulos da rede social Joyy. As ações estão a recuperar quase 20%, depois de a empresa ter refutado um relatório de um investidor com uma posição curta sobre a cotada, que tinha levado o seu preço a afundar mais de 26% na sessão anterior.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street afasta-se de recorde. Desemprego voltou a subir

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião