Administração da Raize considera preço da OPA baixo e desconfia das parcerias com a Flexdeal

Plataforma de financiamento está a ser alvo de uma OPA parcial por parte da Flexdeal, que oferece 0,90 euros por ação para ficar com 19% do capital e reforçar as sinergias entre as duas empresas.

O Conselho de Administração da Raize considera que o preço que a Flexdeal está disposta a pagar por ação na oferta pública de aquisição (OPA) é baixo. A sociedade oferece 0,90 euros, na operação que pretende criar parcerias entre as duas empresas, o que também não convence os administradores da Raize.

“O Conselho de Administração considera o preço por ação oferecido pela Oferente é reduzido face ao valor de mercado da ação e não representativo da expectativa de valor do capital da sociedade visada para os acionistas existentes“, diz a Raize, num relatório de resposta ao anúncio preliminar, enviado esta sexta-feira à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A 30 de outubro, a sociedade de investimento para o fomento da economia (SIMFE) Flexdeal anunciou querer comprar 19% do capital da plataforma de financiamento para gerar parcerias, criar novos produtos e reforçar o negócio da concessão de crédito. Oferece 0,90 euros por cada uma das 950 mil ações que pretende adquirir, o que implica um prémio de 26,76% face à cotação anterior ao anúncio. Desde então, o preço por ação valorizou para o valor da OPA.

Mas não é só o preço que não acolhe aceitação por parte dos gestores. A Flexdeal tinha identificado três grandes objetivos subjacentes ao lançamento da oferta: potenciar a criação de valor para os acionistas das sociedades oferente e visada através de parcerias, contribuir para o lançamento de novas ofertas que constituam soluções inovadoras atraentes e aumentar a quota de mercado da Raize no mercado de crédito.

O conselho de administração não dispõe atualmente de conhecimento suficiente sobre a atividade desenvolvida pela oferente pelo que não tem capacidade para aferir concretamente sobre o potencial sinergético entre ambas as sociedades“, sublinha. Ainda assim, os líderes da Raize reconhecem que “a oferece, no âmbito da sua atividade de investimento, enquadramento legal e estrutura acionista existente, poderá representar um canal de financiamento adicional para a Raize e para as PME servidas (de forma direta ou direta)”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Administração da Raize considera preço da OPA baixo e desconfia das parcerias com a Flexdeal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião