Corrida ao papel higiénico volta a esvaziar prateleiras nos EUA

  • ECO
  • 21 Novembro 2020

Com 22 estados norte-americanos a impor limites de circulação, as corridas aos supermercados regressaram, com os consumidores a esgotarem stocks de papel higiénico e toalhitas desinfetantes.

As prateleiras com o papel higiénico nos supermercados dos Estados Unidos estão novamente vazias, à medida que vão sendo decretadas mais medidas de controlo à pandemia. De acordo com a Reuters (conteúdo em inglês), a corrida aos bens essenciais está de volta, numa altura de recolher obrigatório e encerramentos de estabelecimentos, sobretudo na Califórnia e em Nova Iorque.

A cadeira de supermercados Walmart, uma das maiores dos Estados Unidos, disse na sexta-feira que estava a notar “a venda de packs maiores do que o normal” de papel higiénico e produtos de limpeza em alguns estados norte-americanos. Naquele dia, 22 estados impuseram restrições à população, o que provocou o pânico dos consumidores, sobretudo com os limites impostos nas compras por retalhistas como Target e Kroger, as maiores redes de supermercados dos Estados Unidos.

Vários clientes espalhados pelo país falam em toalhitas desinfetantes esgotadas em lojas como o Warlmart e Costco, mas também noutras cadeias. “A maioria das toalhitas Lysol [marca norte-americana de produtos de limpeza e desinfeção] ainda está esgotada no Walmart e o papel higiénico acabou outra vez”, disse à Reuters Whitley Hatcher, especialista em coleções em Tucson, no Arizona. “Estranhamente, em lojas como Walgreens e Dollar Tree podemos encontrar o que precisamos. Acho que as pessoas estão a esvaziar as prateleiras nas maiores lojas e a entrar em pânico“, acrescenta.

Num supermercado Costco, em Washington — onde as novas medidas incluem proibições temporárias de refeições em ambientes fechados –, os stocks de papel higiénico, toalhas de papel, lenços de limpeza, luvas e carne enlatada voltaram a esgotar.

E a caça ao papel higiénico está de volta à Califórnia, depois de terem sido proibidas todas as reuniões sociais internas e atividades não essenciais fora de casa na maior parte do estado. Os consumidores dizem que o papel higiénico estava esgotado nas lojas Costco em Fresno e Los Angeles.

A fabricante Procter & Gamble, a maior vendedora de papel higiénico nos Estados Unidos, tem as fábricas a trabalhar durante 24 horas por dia, sete dias por semana, para responder à procura. Nos últimos meses, os retalhistas tiveram que fazer mudanças importantes — e caras — nas suas cadeias de suprimentos para atender a picos inesperados na procura.

Em resposta a um tweet onde um consumidor reclamava a falta de papel higiénico e toalhitas de limpeza, o Sam’s Club do Walmart respondeu: “Estamos a trabalhar para repor esses itens o mais rapidamente possível”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Corrida ao papel higiénico volta a esvaziar prateleiras nos EUA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião