Governo vai compensar profissionais de saúde que não vão poder gozar férias

  • Lusa
  • 21 Novembro 2020

"Por cada cinco dias de férias não gozados, além do direito a esses dias, terão o pagamento de um dia adicional de férias", disse a ministra da Saúde.

Os profissionais de saúde que não vão poder gozar férias até ao final deste ano devido à pandemia vão ser compensados, no âmbito de um regime excecional aprovado pelo Governo, anunciou este sábado a ministra da Saúde.

“Aprovámos um regime excecional que permite que os profissionais de saúde que possam não conseguir gozar as suas férias até ao final deste ano possam ser compensados desse seu esforço”, disse Marta Temido, em entrevista à Lusa. A ministra explicou que os profissionais podem optar, em 2021, por uma compensação financeira: “por cada cinco dias de férias não gozados, além do direito a esses dias, terem o pagamento de um dia adicional de férias”.

O cancelamento de férias já tinha sido aplicado na primeira fase da pandemia, quando vigorou o primeiro período de estado de emergência no país. Marta Temido sublinhou que tem sido feito um esforço de contratação e de melhoria da resposta do Serviço Nacional de Saúde (SNS). “Ainda esta semana garantimos que os hospitais recuperavam a autonomia para poder contratar médicos por tempo indeterminado”, exemplificou.

Segundo a ministra, são contratos sem termo para apoiar sobretudo as especialidades que são essenciais na resposta à pandemia, nomeadamente a Anestesiologia, a Medicina Intensiva, a Pneumologia e a Medicina Interna. “Estamos a tentar todos os dias reforçar as respostas do SNS, mas não podemos atuar só pela via da oferta de cuidados”, vincou. Para a governante, é preciso também atuar “no ponto da procura” e para isso é preciso “parar a transmissão da doença”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo vai compensar profissionais de saúde que não vão poder gozar férias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião