Trump acusa Pfizer de atrasar notícia da vacina para o prejudicar

  • Lusa
  • 21 Novembro 2020

“A Pfizer e outros incluídos decidiram não avaliar os resultados da sua vacina, por outras palavras, só apresentaram a vacina depois das eleições”, disse Donald Trump, em conferência de imprensa.

Donald Trump aludiu esta sexta-feira novamente a uma alegada conspiração para que a informação preliminar sobre a vacina contra o coronavírus fosse divulgada só depois da votação, para o prejudicar, responsabilizando diretamente a farmacêutica Pfizer.

Esta sexta-feira, Trump devia dar uma conferência de imprensa para anunciar uma descida do preço dos medicamentos, mas, visivelmente irritado, atacou a empresa farmacêutica e não aceitou perguntas dos jornalistas. Ainda sem ter aceitado a derrota nas eleições presidenciais de 3 de novembro, Trump atacou também a entidade reguladora da alimentação e dos medicamentos (FDA, na sigla em Inglês).

“Vocês não teriam uma vacina nos próximos quatro anos se não fosse eu, porque a FDA nunca teria sido capaz de fazer o que fez se não os tivesse forçado a fazê-lo”, começou por dizer. “A Pfizer e outros incluídos decidiram não avaliar os resultados da sua vacina, por outras palavras, só apresentaram a vacina depois das eleições”, denunciou, mas sem avançar qualquer prova.

Esta acusação, dirigida à Pfizer, à FDA e aos democratas, já tinha sido feita a 9 de novembro, o que levou inclusive a revista Science a averiguar a base da alegação, comprovando que não havia provas que a suportassem.

Ontem, a Pfizer e a sua parceira alemã, a BioNTech, pediram uma autorização de emergência à FDA para poderem começar a distribuir a sua vacina, que poderia ser administrada a grupos de riscos a partir de dezembro.

A Pfizer não utilizou fundos públicos dos EUA no desenvolvimento da sua vacina, se bem que tenha depois chegado a acordo com o governo federal para a venda de 100 milhões de doses por 1,95 mil milhões de dólares (1,645 mil milhões de euros). Já a farmacêutica norte-americana Moderna utilizou fundos federais no desenvolvimento da sua vacina, a qual apresentou resultados preliminares muito parecidos aos da Pfizer.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trump acusa Pfizer de atrasar notícia da vacina para o prejudicar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião