Kitch lança plataforma que permite aos restaurantes criar lojas com entregas próprias

Kitch Tech permite aos restaurantes terem, num só lugar, gestão do seu negócio online e operação em várias plataformas de entregas de comida

Rui Bento e Nuno Rodrigues, cofundadores da Kitch.Diogo Coito e Beatrysa Lyashchenko

A startup portuguesa Kitch, criada em 2020 para desafiar “os melhores restaurantes da cidade” a entregarem comida em casa dos seus clientes e dar-lhes tecnologia e cozinhas extra para o fazerem, lançou uma plataforma que permite aos restaurantes criarem as suas próprias lojas online. A Kitch Tech permite, além de entregas próprias, concentrar, num só lugar, a gestão do negócio online e a operação feita através das várias plataformas de entrega. A solução, acredita a startup, vai permitir aos restaurantes tirarem “o maior partido das entregas”.

“No momento que vivemos, são cada vez mais pessoas que encomendam comida para ser entregue em casa, e queremos dar aos restaurantes as ferramentas para que possam servir adequadamente esta procura em forte crescimento”, afirma Rui Bento, CEO da Kitch. “Com o Kitch Tech damos aos restaurantes a possibilidade de servirem os seus clientes habituais de forma mais personalizada, de trabalharem com múltiplas aplicações de entrega com o mínimo de complexidade, e de chegarem a mais pessoas na cidade com áreas de cobertura ampliadas — mais entregas, mais vendas, menos dores de cabeça”.

Queremos dar aos restaurantes as ferramentas para que possam servir adequadamente esta procura em forte crescimento.

Rui Bento

CEO da Kitch

Fundada pelos ex-Uber Rui Bento e Nuno Rodrigues em maio deste ano, a startup levantou um milhão de euros numa ronda anunciada no mesmo mês e liderada pelo Seedcamp e pela Mustard Seed MAZE. O investimento serve para construir as primeiras cozinhas virtuais e a ronda contou ainda com capital de João Cepeda, fundador e presidente do Time Out Market.

A nova plataforma, ainda em fase piloto, está a ser utilizada por restaurantes lisboetas como o Boa-Bao, Casanova, Osteria, Marlene Vieira, entre outros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Kitch lança plataforma que permite aos restaurantes criar lojas com entregas próprias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião