Miap, Kitchen Villages e Fumeiro do Mar vencem 2ª edição do From Start-to-Table

Kitchen Villages, Fumeiro do Mar e o Miap, foram os vencedores da 2ª edição do From-Start-to-table, da Startup Lisboa. O Turismo de Portugal já confirmou o apoio para a 3ª edição em 2020.

Kitchen Villages, Fumeiro do Mar e Miap, foram os três projetos vencedores da segunda edição do From-Start-to-Table, um programa de aceleração para empreendedores na área da restauração da incubadora Startup Lisboa. Os projetos destacaram-se nas categorias “tecnologia para restauração”, “novos conceitos de restauração”, e na categoria estreante nesta edição “produtos inovadores de food & beverage. Os três projetos levam para casa 10 mil euros para desenvolverem o negócio. Depois de mais de 260 horas de mentoria, workshops e talks inspiracionais, 25 projetos foram pensados e testados durante nove semanas, para culminar na apresentação dos pitchs finais em noite de demo day, esta terça-feira, em Lisboa.

A segunda edição do From-Start-to-Table arrancou a 15 de outubro e contou com mais de 150 candidaturas, de 34 países e 12 nacionalidades. Os números revelam um crescimento significativo em relação ao ano passado. Destaca-se ainda a participação internacional e a forte presença feminina, principalmente nas áreas da tecnologia.

“O mercado está mais exigente e para se vencer no ecossistema da restauração não basta uma boa receita – há um consumidor muito mais exigente a quem é preciso dar resposta. A primeira edição foi uma prova de que conseguimos fazer isso sem perder de vista a paixão dos nossos empreendedores e a qualidade dos seus projetos”, explicava Marta Miraldes, coordenadora do programa de aceleração, no arranque da segunda edição.

Fumeiro do Mar: peixe fumado sustentável

Na categoria que se estreou nesta edição (“Produtos inovadores de food & beverage“) o vencedor foi o projeto Fumeiro do Mar, que produz cavala fumada naturalmente, oferecendo ao mercado a possibilidade de diversificar o consumo de peixe, de forma sustentável, assumindo-se como uma alternativa ao consumo de outras espécies sobre consumidas, como por exemplo a sardinha. “Este programa foi um tesouro em termos de ajuda, de descoberta e de melhoramento. Com este prémio, vamos poder constituir a empresa e ter um espaço para começar a comercializar”, conta Margarida Medlam, 54 anos, bioquímica e fundadora da Fumeiro do Mar.

O Fumeiro do Mar adapta as técnicas do fumeiro tradicional à fumagem do peixe, utilizando madeira de origem sustentável, aproveitada do fabrico de pipas de carvalho, das limpezas das matas e da poda das fruteiras. Filetes de cavala e tainha fumada, enchidos fumados, ovas, algas e sal fumado são alguns dos produtos do projeto vencedor.

A nova categoria contou ainda com a presença dos projetos Choc’Me, cracker’S, Frangos do Além, Levant, Nolita e Sundays Botanicals.

Miap: melhorar a experiência na restauração

Se vive em Lisboa, Paris ou Bordéus, pode descarregar a aplicação Miap no seu smartphone. O projeto escolhido na categoria “tecnologias para restauração” é uma plataforma digital para restaurantes, bares e hotéis para pedidos e pagamento em apenas 30 segundos, e que promete transformar a experiência do cliente e do proprietário. Através de uma só ferramenta, os consumidores podem ter acesso a menus traduzidos em mais de seis línguas, ver fotos dos pratos do menu para facilitar a decisão e, ainda, pagar as refeições.

85% dos consumidores olham para o smartphone pelo menos uma vez durante a refeição. Este foi o ponto de partida, referiu Stephanie Lengele, para criar uma aplicação que quebrasse a barreira da língua, combatesse a ineficiência causada pelos longos tempos de espera e transformasse a experiência do consumidor. Através do Miap, é possível fazer o download dos menus antes de chegar ao restaurante, o que evita longas esperas e melhora o serviço do próprio estabelecimento. O Miap já está presente em 20 restaurantes e já tem mais de quatro mil utilizadores ativos. O valor da subscrição da aplicação varia entre os 29 euros e os 55 euros por mês.

Queremos crescer rápido em França, Portugal, e no resto da Europa e, depois do From Start-to-Table, temos as ferramentas e meios para sermos bem-sucedidos”, contam o francês de 37 anos, Sylvain, com experiência em grandes marcas do turismo como a e-Dreams, Booking e a belga de 29 anos, Stéphanie Lengelé, ex-quadro de marketing and product development em tecnológicas como a Phillips.

Kitchen Villages: oportunidades para todos

Na categoria “Novos conceitos de restauração”, Kitchen Villages conquistou o júri com um projeto de uma rede de contentores-cozinha que permite a todos os que se querem lançar na atividade da restauração, o aluguer de um espaço de produção num modelo kitchen-as-a service e servindo uma tendência atual de novos conceitos de restauração assentes no delivery.

“Chegámos aqui com um conceito engraçado e conseguimos, com o acesso à rede do From Start-to-Table, tornar um conceito num negócio. Foi importante a facilidade com que conseguimos falar com pessoas do mercado, ligadas à área da restauração, que nos ajudaram a validar e a evoluir o nosso conceito”, referiram Margarida Costa, 31 anos, e Frederico Pires, 37 anos, ambos com experiência em consultoria estratégica e fundadores da Kitchen Villages.

Archie BeerCraft, Communion, Fruly, HomeMakers Lab, PoutineExpress, The Bus, The House – Our Family Table e The Therapist foram os nomes que completaram a categoria de novos conceitos para restauração.

Para o ano há mais

A segunda edição contou com uma participação de 37% na categoria de novas tecnologias para restauração, 34% na categoria de novos conceitos e 29% na nova categoria “produtos inovadores de food & beverage“. Mais de metade dos participantes foram mulheres, com grande destaque para a área de tecnologia, com uma presença de 46% de mulheres.

“Este tipo de programas que a Startup Lisboa desenvolve têm uma importância fundamental para o desenvolvimento do empreendedorismo na cidade. Lisboa precisa de projetos que sejam sustentáveis e, nos prémios vencedores, estava presente esse espírito da capital verde. É importante para a cidade o core destas iniciativas mas também o valor que trazem para que ela se torne uma cidade mais sustentável, dinâmica e empreendedora a pensar nas gerações vindouras“, sublinhou João Paulo Saraiva, vice-presidente da câmara municipal de Lisboa e presidente da Startup Lisboa.

Rita Marques, secretária de estado do Turismo, reafirmou o compromisso do Governo com a promoção de instrumentos que ajudem a promover a inovação e o empreendedorismo no setor, e confirmou o apoio da terceira edição em 2020.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Miap, Kitchen Villages e Fumeiro do Mar vencem 2ª edição do From Start-to-Table

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião