Miap, Kitchen Villages e Fumeiro do Mar vencem 2ª edição do From Start-to-Table

Kitchen Villages, Fumeiro do Mar e o Miap, foram os vencedores da 2ª edição do From-Start-to-table, da Startup Lisboa. O Turismo de Portugal já confirmou o apoio para a 3ª edição em 2020.

Kitchen Villages, Fumeiro do Mar e Miap, foram os três projetos vencedores da segunda edição do From-Start-to-Table, um programa de aceleração para empreendedores na área da restauração da incubadora Startup Lisboa. Os projetos destacaram-se nas categorias “tecnologia para restauração”, “novos conceitos de restauração”, e na categoria estreante nesta edição “produtos inovadores de food & beverage. Os três projetos levam para casa 10 mil euros para desenvolverem o negócio. Depois de mais de 260 horas de mentoria, workshops e talks inspiracionais, 25 projetos foram pensados e testados durante nove semanas, para culminar na apresentação dos pitchs finais em noite de demo day, esta terça-feira, em Lisboa.

A segunda edição do From-Start-to-Table arrancou a 15 de outubro e contou com mais de 150 candidaturas, de 34 países e 12 nacionalidades. Os números revelam um crescimento significativo em relação ao ano passado. Destaca-se ainda a participação internacional e a forte presença feminina, principalmente nas áreas da tecnologia.

“O mercado está mais exigente e para se vencer no ecossistema da restauração não basta uma boa receita – há um consumidor muito mais exigente a quem é preciso dar resposta. A primeira edição foi uma prova de que conseguimos fazer isso sem perder de vista a paixão dos nossos empreendedores e a qualidade dos seus projetos”, explicava Marta Miraldes, coordenadora do programa de aceleração, no arranque da segunda edição.

Fumeiro do Mar: peixe fumado sustentável

Na categoria que se estreou nesta edição (“Produtos inovadores de food & beverage“) o vencedor foi o projeto Fumeiro do Mar, que produz cavala fumada naturalmente, oferecendo ao mercado a possibilidade de diversificar o consumo de peixe, de forma sustentável, assumindo-se como uma alternativa ao consumo de outras espécies sobre consumidas, como por exemplo a sardinha. “Este programa foi um tesouro em termos de ajuda, de descoberta e de melhoramento. Com este prémio, vamos poder constituir a empresa e ter um espaço para começar a comercializar”, conta Margarida Medlam, 54 anos, bioquímica e fundadora da Fumeiro do Mar.

O Fumeiro do Mar adapta as técnicas do fumeiro tradicional à fumagem do peixe, utilizando madeira de origem sustentável, aproveitada do fabrico de pipas de carvalho, das limpezas das matas e da poda das fruteiras. Filetes de cavala e tainha fumada, enchidos fumados, ovas, algas e sal fumado são alguns dos produtos do projeto vencedor.

A nova categoria contou ainda com a presença dos projetos Choc’Me, cracker’S, Frangos do Além, Levant, Nolita e Sundays Botanicals.

Miap: melhorar a experiência na restauração

Se vive em Lisboa, Paris ou Bordéus, pode descarregar a aplicação Miap no seu smartphone. O projeto escolhido na categoria “tecnologias para restauração” é uma plataforma digital para restaurantes, bares e hotéis para pedidos e pagamento em apenas 30 segundos, e que promete transformar a experiência do cliente e do proprietário. Através de uma só ferramenta, os consumidores podem ter acesso a menus traduzidos em mais de seis línguas, ver fotos dos pratos do menu para facilitar a decisão e, ainda, pagar as refeições.

85% dos consumidores olham para o smartphone pelo menos uma vez durante a refeição. Este foi o ponto de partida, referiu Stephanie Lengele, para criar uma aplicação que quebrasse a barreira da língua, combatesse a ineficiência causada pelos longos tempos de espera e transformasse a experiência do consumidor. Através do Miap, é possível fazer o download dos menus antes de chegar ao restaurante, o que evita longas esperas e melhora o serviço do próprio estabelecimento. O Miap já está presente em 20 restaurantes e já tem mais de quatro mil utilizadores ativos. O valor da subscrição da aplicação varia entre os 29 euros e os 55 euros por mês.

Queremos crescer rápido em França, Portugal, e no resto da Europa e, depois do From Start-to-Table, temos as ferramentas e meios para sermos bem-sucedidos”, contam o francês de 37 anos, Sylvain, com experiência em grandes marcas do turismo como a e-Dreams, Booking e a belga de 29 anos, Stéphanie Lengelé, ex-quadro de marketing and product development em tecnológicas como a Phillips.

Kitchen Villages: oportunidades para todos

Na categoria “Novos conceitos de restauração”, Kitchen Villages conquistou o júri com um projeto de uma rede de contentores-cozinha que permite a todos os que se querem lançar na atividade da restauração, o aluguer de um espaço de produção num modelo kitchen-as-a service e servindo uma tendência atual de novos conceitos de restauração assentes no delivery.

“Chegámos aqui com um conceito engraçado e conseguimos, com o acesso à rede do From Start-to-Table, tornar um conceito num negócio. Foi importante a facilidade com que conseguimos falar com pessoas do mercado, ligadas à área da restauração, que nos ajudaram a validar e a evoluir o nosso conceito”, referiram Margarida Costa, 31 anos, e Frederico Pires, 37 anos, ambos com experiência em consultoria estratégica e fundadores da Kitchen Villages.

Archie BeerCraft, Communion, Fruly, HomeMakers Lab, PoutineExpress, The Bus, The House – Our Family Table e The Therapist foram os nomes que completaram a categoria de novos conceitos para restauração.

Para o ano há mais

A segunda edição contou com uma participação de 37% na categoria de novas tecnologias para restauração, 34% na categoria de novos conceitos e 29% na nova categoria “produtos inovadores de food & beverage“. Mais de metade dos participantes foram mulheres, com grande destaque para a área de tecnologia, com uma presença de 46% de mulheres.

“Este tipo de programas que a Startup Lisboa desenvolve têm uma importância fundamental para o desenvolvimento do empreendedorismo na cidade. Lisboa precisa de projetos que sejam sustentáveis e, nos prémios vencedores, estava presente esse espírito da capital verde. É importante para a cidade o core destas iniciativas mas também o valor que trazem para que ela se torne uma cidade mais sustentável, dinâmica e empreendedora a pensar nas gerações vindouras“, sublinhou João Paulo Saraiva, vice-presidente da câmara municipal de Lisboa e presidente da Startup Lisboa.

Rita Marques, secretária de estado do Turismo, reafirmou o compromisso do Governo com a promoção de instrumentos que ajudem a promover a inovação e o empreendedorismo no setor, e confirmou o apoio da terceira edição em 2020.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Miap, Kitchen Villages e Fumeiro do Mar vencem 2ª edição do From Start-to-Table

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião