Da ideia à mesa: os números do acelerador mais ambicioso da Startup Lisboa

Incubadora lisboeta lançou programa From-Start-to-Table em outubro deste ano. Vinte e dois projetos foram acelerados, 31% dos quais com fundadores estrangeiros.

21 equipas disputaram a final de pitch do programa de aceleração From-Start-to-table, que durou nove semanas.Miguel Ribeiro Fernandes

Vinte e uma startups e 36 participantes. O From-Start-to-Table, programa de aceleração mais ambicioso da Startup Lisboa, chegou ao fim esta terça-feira. Em noite de demo day — o dia em que as startups fazem o pitch final perante o júri –, houve dois vencedores — tech e não tech — e uma surpresa.

A Breadfast, startup de entrega de pequenos-almoços (que, há menos de um mês, saiu vencedora do concurso de pitch da Taxify), levou para casa o prémio de “Best team” entre as 21 participantes. Na categoria “não tech”, os alemães Nils Schwentkowski, Stephanie Hunstock e Hendrik Reaufmann levaram para casa o primeiro lugar com a sua Lemon’Mate, bebida energética natural certificada e biológica e produzida em Portugal, e a primeira marca da Why Not Beverages. Já na categoria “tech”, o primeiro lugar foi para a TempJobs, um marketplace de trabalhadores independentes em tempo real fundada por Tiago Pereira.

“No primeiro segundo do programa, as pessoas viam-se como concorrentes. Mas, desde o segundo segundo até ao final, foi notório que passámos a apoiar-nos uns aos outros”, explica Mário Tarouca, fundador da Breadfast, em conversa com o ECO. Para a startup de entregas de pequenos-almoços ao domicílio — que recentemente comprou a concorrente no mercado –, o programa de aceleração foi uma forma de abrandar o ritmo e repensar processos.

“Foi um passo ao lado, abrandámos um pouco as nossas operações para dar agora saltos enormes para o futuro. Sempre tivemos uma posição de transparência e de abertura para mostrar os projetos e os processos e a maneira como fazemos as coisas. E essa partilha foi recompensadora porque as pessoas deram-nos feedback, conseguimos aprender com elas. Falámos com dezenas de mentores, recebemos feedback, implementámos muitas coisas e agora temos de perceber quais são os próximos passos”, acrescenta.

“É muito compensador ver a fase em que os projetos entraram, a dedicação, tudo o que aconteceu de bom e menos bom. Mais do que termos uma ideia que tentámos que fosse inovadora e diferenciadora em relação a outros projetos de aceleração, não só no setor mas também tech e não tech. Marta Miraldes, diretora do programa, fez o balanço dos últimos dois meses de trabalho.

Dos 22 projetos selecionados de entre mais de 100 candidaturas, metade foram tech e a outra metade não tech. Do total dos 36 participantes, 58% são homens e 42% mulheres, sendo a participação maioritariamente nacional (69%). Ainda assim, dos 31% estrangeiros, os participantes vieram de oito países: Reino Unido, Alemanha, França, Nicarágua, Síria, Tailândia, Filipinas e Brasil.

“Viajei durante 25 horas para vir para Lisboa”, conta Gerardo Escudero Samara, que chegou a Lisboa, diretamente do México há nove semanas, para acelerar o seu Chillout Lounge. O empreendedor com dupla nacionalidade, Nicarágua e México, é fundador de um dos projetos estrangeiros acelerados. “Todos os dias procuro oportunidades e vi esta, candidatei-me e entrei. Foram nove semanas muito intensas mas definitivamente, foi a melhor experiência da minha vida. Sou agora um melhor ser humano e um melhor empreendedor”, disse.

Marta Miraldes sublinha que a alta presença de projetos fundados por estrangeiros está relacionada com vários fatores: “Lisboa e Portugal estão cada vez mais a ser procuradas por founders estrangeiros. Depois, pela diferenciação do próprio programa, por ter como base a cocriação e por juntar os tech e os não tech. Tudo isso potenciou termos oito nacionalidades.”

O acelerador talvez tenha sido o mais ambicioso da história de mais de seis anos de Startup Lisboa: o programa incluiu, logo na abertura, um team building culinário, uma espécie de Master Table com direito a provas práticas… na cozinha e na mesa.

Sabíamos que tínhamos uma enorme responsabilidade: pôr de pé um programa com enormes desafios. Desde logo, o setor a que se destinava”, analisa Miguel Fontes, diretor da Startup Lisboa, a promotora do programa. “Temos um histórico de acelerar e incubar projetos essencialmente tecnológicos, com modelos de negócio ligados à tecnologia e com enorme escalabilidade. E sabíamos que aqui íamos apanhar uma franja do empreendedorismo diferente, nomeadamente uma das partes com novos conceitos, novas ideias, mas que nasceu de uma necessidade concreta. Percebemos nos últimos tempos que havia uma procura grande, uma grande necessidade e que era também nossa responsabilidade poder qualificar esta oferta”, explica Miguel Fontes, diretor da Startup Lisboa, ao ECO.

Havia uma procura grande, uma grande necessidade e que era também nossa responsabilidade poder qualificar esta oferta.

Miguel Fontes

Diretor da Startup Lisboa

“Depois não quisemos perder o nosso ADN: criámos um programa de co-criação, tendo uma parte de projetos tecnológicos com o foco de desenvolverem soluções para o setor da restauração (…) Foi um programa super intensivo: para quem não está tão familiarizado com os nomes, aceleração significa pegar em projetos numa fase muito inicial e percorrer todas as dimensões críticas de qualquer modelo de negócio. E muitos deles foram questionados de A-Z e reinventados”, acrescenta.

Durante as nove semanas em que durou o programa, os participantes contaram com o apoio de mais de 40 mentores, 60 oradores, 23 workshops e nove inspirational talks, além de quatro debates sobre inovação e tendências do setor. O programa integrou ainda oito visitas a locais relevantes para o ecossistema da restauração e 44 horas de check point individual aos projetos.

Em perspetiva está a realização de uma segunda edição, que dependerá sobretudo da garantia de apoios. “É um programa ainda exigente do ponto de vista financeiro, e que só é possível a uma incubadora como a Startup Lisboa, graças a parceiros como o Turismo de Portugal. O orçamento ultrapassa a centena de milhar de euros”, conclui Fontes.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Da ideia à mesa: os números do acelerador mais ambicioso da Startup Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião