Esta startup portuguesa ganhou o pitch da Taxify. E conta tudo

Breadfast fez o melhor pitch ao CEO da Taxify durante o Web Summit. Mas não foi só o pequeno-almoço que convenceu Markus Villig.

Mário Tarouca faz o pitch da Breakfast a Markus Villig.D.R.

De pequeno-almoço em riste, Mário Tarouca incorporou no pitch da Breadfast o fator surpresa. E ganhou. A apresentação convenceu Markus Villig, CEO da Taxify que, em Lisboa, ouviu seis pitch de startups que decidiram inscrever-se na prova em plena viagem conduzida pelo unicórnio.

A oportunidade de “treinar” o pitch com um dos fundadores e CEO mais novos de um unicórnio, conta Mário Tarouca, CEO e cofundador da Breadfast, surgiu através das notícias. “O objetivo principal era receber feedback e dicas do Markus sobre o nosso modelo de negócio e o futuro da Breadfast”, explica, em entrevista ao ECO. Mas o empreendedor mal podia adivinhar que a startup que produz e distribui pequenos-almoços poderia convencer o CEO internacional em apenas 15 minutos de pitch.

“No dia anterior, nas redes sociais, pedi ideias aos meus amigos sobre como podia ser diferenciador. Tentei antecipar as perguntas e tópicos que o Markus fosse abordar. Levei um tablet com gráficos e pequeno-almoço especial, para ele e para o condutor. Mostrar o produto é sempre importante”, refere Tarouca.

Mas, se a preparação foi importante, o pitch deixou o empreendedor antecipar outras coisas. “A principal vantagem foi o tipo de perguntas que me fez. As questões do Markus puseram-me, a mim e à minha equipa, a pensar no próximos passos, a ter uma visão estratégica, não só sobre a empresa em si, mas sobre o setor e de como o mesmo vai evoluir”, explica ao ECO.

Baixas expectativas

Quanto ao concurso, a Breadfast, garante Tarouca, não se candidatou com a intenção de ganhar. “Foi mesmo pelo feedback e pela exposição à equipa da Taxify”. No entanto, revela, as esperanças aumentaram assim que saiu do carro, imediatamente depois do pitch. “Senti que o Markus e a restante equipa da Taxify tinham gostado do meu pitch e do que a nossa equipa já alcançou desde o início do ano”, conta.

Entre os conselhos que o empreendedor daria a outros, e lugares semelhantes, Mário Tarouca sublinha quatro essenciais:

  1. Preparem-se: leiam sobre a indústria, sobre o futuro e tirem as vossas conclusões.
  2. Know your numbers: é importante saber os nossos custos, vendas, margens, etc. porque informação é poder.
  3. Por mais que nos preparemos, há sempre questões que não sabemos (ainda) responder. Dizer que não se sabe e se vai analisar, mostra que és humilde e queres aprender.
  4. Ouve mais do que fala. Nos primeiros segundos, faz pitch da tua ideia, mostra números e quem é a tua equipa. A partir daí, dá espaço ao outro para perguntar e sugestões. “Como disse, há algumas coisas que já estamos a trabalhar que vieram de questões que o Markus levantou”, justifica.

Comentários ({{ total }})

Esta startup portuguesa ganhou o pitch da Taxify. E conta tudo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião