Jerónimo de Sousa critica BE: “Se há avanços na OE, todos têm marca do PCP”

O secretário-geral do PCP criticou o BE por "desistir" das negociações do Orçamento do Estado para 2021: "Se há avanços, todos têm a marca do PCP", apontou Jerónimo de Sousa.

O secretário-geral do PCP apontou baterias ao Bloco de Esquerda no discurso de encerramento do congresso do partido, tendo ainda atacado o que considerou ter sido uma “operação” para impedir a realização do encontro, tendo como pretexto a pandemia.

Jerónimo de Sousa começou por criticar a “política de direita na rodagem entre PS, PSD e CDS” e alertou que é necessário “reverter rapidamente o caminho da recessão económica” e a crise social. “Como fizemos no quadro do Orçamento do Estado, um caminho que ficou curto porque o PS não se liberta das suas escolhas e opções”, disse.

No entanto, criticou também os bloquistas, ainda que sem mencionar o nome do partido, por terem tentado chumbar o documento, tomando para o PCP os louros de algumas medidas inscritas no Orçamento.

“Enquanto alguns desistiram e passaram ao lado dos problemas, se há avanços, consagrados e dirigidos aos trabalhadores, aos reformados, às pequenas empresas, à cultura, ao Serviço Nacional de Saúde e aos seus profissionais, todos têm a marca e a contribuição da proposta do PCP”, rematou o líder comunista.

Indicando que o partido mostrou ser possível uma “política alternativa de esquerda”, Jerónimo de Sousa disse também que essa “alternativa política não é possível só com o PCP, mas também não será possível sem o PCP”. “É um partido necessário e indispensável para construir um futuro de progresso e de desenvolvimento. Com o PCP, a vida avança. Onde se vê progresso e avanço, o PCP está lá”, frisou.

A mensagem seguinte foi apontada aos críticos da realização de um congresso presencial em plena pandemia, e contornando o recolher obrigatório. “Os direitos defendem-se, exercendo-se”, disse Jerónimo de Sousa.

Apesar de reconhecer que a situação sanitária é preocupante (“Quem estiver despreocupado com a situação sanitária está distraído”, disse), e sinalizando ser necessário “acompanhar as medidas sanitárias e as recomendações das autoridades de saúde”, Jerónimo de Sousa acrescentou: “Estivemos aqui exercendo direitos democráticos que, durante 48 anos de ditadura fascista, foram proibidos e que conquistados com abril acabaram por ser consagrados na Constituição da República e na lei.”

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Jerónimo de Sousa critica BE: “Se há avanços na OE, todos têm marca do PCP”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião