Grupo Dia recebe injeção de 500 milhões e adia vencimento de maiores empréstimos

  • Lusa
  • 30 Novembro 2020

Cadeia espanhola de supermercados Dia anunciou uma injeção de 500 milhões de euros do seu maior acionista e o adiamento do vencimento dos seus maiores empréstimos.

A cadeia espanhola de supermercados DIA, dona do Minipreço, anunciou esta segunda-feira a assinatura de vários acordos, incluindo uma injeção de 500 milhões de euros pela LetterOne, o seu maior acionista, e o adiamento do vencimento dos seus maiores empréstimos.

Segundo informação enviada à Comissão Nacional do Mercado de Valores (CNMV) espanhola, a empresa destaca que o acordo para implementar uma estrutura de capital e financeira a longo prazo “foi alcançado com 100% dos credores sindicados e foi apoiado pelo acionista de referência LetterOne”.

O grupo DIA sublinha ainda a redução de 40% do seu endividamento, a eliminação do risco de refinanciamento e sem vencimentos de dívida significativos nos próximos cinco anos.

A LetterOne – que detém 76% das ações e é controlada pelo magnata russo Mikhail Fridman – irá converter 500 milhões de euros de dívida em fundos próprios.

A operação, que exigirá a realização de uma assembleia de acionistas para que seja aprovada, e que reforçaria o peso de Fridman no capital, deverá estar concluída em abril de 2021.

Por outro lado, os credores sindicados irão adiar o vencimento do empréstimo de 902 milhões de euros feito em março de 2023 para dezembro de 2025.

As conversações realizadas com os bancos credores vão permitir à cadeia de supermercados não enfrentar qualquer maturidade significativa até 2025, de acordo com os seus cálculos.

Até lá, a empresa só tem de enfrentar o “reembolso antecipado” de 35 milhões dos créditos concedidos pelos credores sindicalizados, e os restantes 36 milhões serão pagos em junho de 2022.

“Este acordo transformador alinha todos os grupos de interesses financeiros chave para o DIA e proporciona ao grupo uma base de capital sólida e estável que apoia a prossecução com êxito da nossa transformação de negócio”, disse o presidente executivo do grupo DIA, Stephan DuCharme.

O responsável da empresa – que opera em Espanha, Portugal, Brasil e Argentina com uma rede de 6.200 lojas – acrescentou que com esta nova estrutura de capital pretende “acelerar a segunda fase do plano de negócios”, para reforçar a linha de crescimento das vendas já seguida em 2020.

A cadeia espanhola de supermercados teve uma perda de 245,9 milhões de euros de janeiro a setembro de 2020, uma redução de 51,3% em relação ao ano passado.

O grupo aumentou as suas vendas líquidas em 2,2%, para 5.194,5 milhões de euros, nos primeiros nove meses de 2020, com os estabelecimentos localizados em Espanha a subirem as suas vendas em 4,9%, tendo o maior crescimento sido registado na Argentina, (17,3%).

Do ponto de vista da empresa, destaca-se uma melhoria significativa do EBITDA (lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado, que no caso de Espanha foi de 73,9 milhões de euros até setembro.

A empresa encontrava-se num processo de dissolução por falência técnica desde finais de 2018 quando o milionário russo, Mikhail Fridman, tomou o controlo maioritário do grupo no início de 2019 e iniciou um processo de recuperação.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Grupo Dia recebe injeção de 500 milhões e adia vencimento de maiores empréstimos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião