Portugal recebe terça-feira primeira tranche do programa SURE, no valor de 3.000 milhões de euros

  • ECO
  • 30 Novembro 2020

A primeira tranche do programa SURE chega esta terça-feira a Portugal. Empréstimo de 3.000 milhões de euros irá financiar medidas de apoio às empresas e ao trabalho.

A presidente da Comissão Europeia revelou à RTP que a primeira tranche do programa SURE será transferida para Portugal já esta terça-feira, no valor de 3.000 milhões de euros. O empréstimo destina-se a apoiar trabalhadores e empresas e o programa tem um valor global de 5.900 milhões.

“Tenho boas noticias para Portugal, porque amanhã [terça-feira] Portugal irá receber a primeira tranche do programa SURE, que disponibilizará 3.000 milhões de euros a Portugal”, disse Ursula von der Leyen, em declarações transmitidas pela estação pública de televisão.

A líder europeia explicou que o programa SURE “apoia empresas e trabalhadores”. “Diz às empresas, não despeçam os trabalhadores, mesmo que não haja trabalho suficiente a fazer. Mantenham-nos nas empresas”, disse Ursula von der Leyen.

“Iremos subsidiar os salários para que as empresas saudáveis sobrevivam e, quando a crise acabar e o mercado recupere, estas possam aceitar as encomendas, porque têm já o pessoal habilitado”, concluiu a presidente da Comissão Europeia.

A expectativa do Governo português era de que esta primeira tranche chegasse em novembro.

O SURE é uma das três “redes de segurança” do pacote de resposta de emergência à crise provocada pela pandemia da Covid-19, orçado num total de 540 mil milhões de euros, acordado pelos ministros das Finanças da zona euro e da UE e aprovado num Conselho Europeu celebrado em 23 de abril.

Além do programa SURE, a “rede de segurança” para trabalhadores, o pacote é constituído por uma “rede” para as empresas – um fundo de garantia pan-europeu do Banco Europeu de Investimento – e outra para os Estados, a linha de crédito do Mecanismo Europeu de Estabilidade, através da qual os Estados-membros podem requerer até 2% do respetivo Produto Interno Bruto (PIB) para despesas direta ou indiretamente relacionadas com cuidados de saúde, tratamentos e prevenção da Covid-19.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal recebe terça-feira primeira tranche do programa SURE, no valor de 3.000 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião