TAP vai vender 8 aviões nos próximos meses. Fica com menos de 100

Está já assinado um acordo para a venda de oito aviões, operação que deverá concretizar-se nos próximos dois a três meses. Baixa dos 100, mas reestruturação pode levar frota até às 83 aeronaves.

Depois de já ter adiado a entrega de novas aeronaves junto da Airbus, a TAP começou a reduzir a frota, procurando dar os primeiros passos no sentido de ajustar a sua dimensão após a crise pandémica. A empresa fechou o terceiro trimestre com 101 aviões, mas tem na calha um contrato para a venda de oito aparelhos.

A “TAP fechou o terceiro trimestre com 101 aviões, prevendo continuar a reduzir a frota”, diz a empresa no comunicado enviado à CMVM em que apresentou as contas dos primeiros nove meses, revelando prejuízos de 700 milhões de euros. Este número de aparelhos compara com os 108 que a TAP tinha.

A redução é para continuar. E está já assinado um acordo para a venda de oito aviões, operação que deverá concretizar-se nos próximos dois a três meses, sabe o ECO. Ou seja, apesar de se assistir à chegada de novos aparelhos para substituir outros, o total de aeronaves que a TAP irá passar a operar vai baixar da fasquia dos 100.

Estas vendas acontecem numa altura em que a procura por viagens está a ser fortemente impactada pela pandemia: a empresa regista uma quebra de 70% no número de passageiros transportados. Uma crise que vai obrigar a um plano de reestruturação da empresa, o qual obrigará a TAP a encolher, mas não criará uma “TAPzinha“.

No âmbito do plano de reestruturação, a frota da TAP deverá ser reduzida para um número entre 83 e 89 aviões, ou seja, este processo vai continuar, prevendo-se a saída de mais uma a duas dezenas de aparelhos, a prazo. Esta redução, através da venda de equipamentos mais antigos, permitirá poupanças em termos de manutenção, mas também algum encaixe financeiro.

“Para o total do ano de 2020, prevê-se que estas renegociações reduzam em cerca de 175 milhões de dólares americanos as saídas de caixa relacionadas com leasing operacional de aviões”, diz a TAP. A renegociação de contratos de leasing e outro tipo de contratos financeiros, bem como as vendas, corresponderão a benefícios financeiros acumulados de 1,5 mil milhões de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

TAP vai vender 8 aviões nos próximos meses. Fica com menos de 100

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião