Zomato Portugal prepara cortes na equipa e vai ter nova estrutura acionista

A aplicação Zomato vai reduzir equipa e dimensão da operação no mercado português, perante uma crise sem precedentes no setor da restauração. Plataforma será menos dependente da casa-mãe.

A Zomato prepara-se para reduzir significativamente a dimensão da operação em Portugal, perante uma crise sem precedentes que afetou o setor da restauração, no qual assenta o negócio da startup. A empresa está a desenhar um plano de reestruturação que deverá passar por cortes na equipa e mudanças na estrutura acionista. A informação foi apurada pelo ECO e confirmada pela empresa.

“Estamos em processo de reestruturação, que ainda não está finalizado. Mas queremos garantir que tanto produtos como serviços continuarão ativos”, disse ao ECO o growth manager da Zomato Portugal e responsável pela área de parcerias e marketing, Nuno Fernandes.

Atualmente, integram a equipa da Zomato Portugal cerca de 40 pessoas. A restruturação ainda está a ser operacionalizada e, nas próximas semanas, serão conhecidos os próximos passos. No entanto, passarão seguramente pela redução da equipa e por uma alteração na estrutura acionista: a maioria do capital vai passar para as mãos de portugueses, com a colaboração da casa-mãe.

“Há realmente uma maior responsabilização acionista da parte da equipa portuguesa, assim como uma maior ponderação de negócio face à sua adequação à realidade portuguesa. Se queremos ajudar a indústria, temos de abordar um caminho diferente”, explicou Nuno Fernandes, acrescentando que “a equipa e os serviços vão ser pensados”. “A empresa-mãe continuará a ter ligação à Zomato Portugal, mas perspetivamos uma base de suporte mais portuguesa que permita construir soluções mais personalizadas para o mercado nacional”, acrescentou.

Fundada na Índia, a Zomato opera uma aplicação móvel que recomenda bares e restaurantes. A startup entrou em Portugal em 2014 e gera receitas a partir das subscrições cobradas aos utilizadores, em troca de descontos em alguns dos estabelecimentos parceiros. Os principais mercados são a Índia e os Emirados Árabes Unidos, onde a empresa tem vindo a adaptar cada vez mais o modelo de negócio ao mercado das entregas de refeições, que está em franco crescimento.

“A Índia como um todo está a focar-se, sobretudo, nas operações onde tem maior volume de negócios, particularmente em delivery. No caso de Portugal, e sendo essa uma funcionalidade que a Zomato não tem, ao dia de hoje, nem na app nem na plataforma, há a necessidade de restruturar a operação no sentido de ajudar mais os restaurantes e fazerem face às necessidades da própria indústria em que atuamos. Sabemos que temos de fazer algumas mudanças importantes, porque a Zomato Portugal vive muito da experiência de ir ao restaurante”, explica o responsável da empresa.

Em Portugal, face à crise da Covid-19, a empresa tem apostado significativamente nas refeições take-away e nos pagamentos sem contacto, numa altura em que ainda existem restrições às deslocações dos cidadãos e é o negócio das entregas de encomendas que mais tem florescido. Até ao final de dezembro, a Zomato Portugal dará a conhecer novas funcionalidades na plataforma e os próximos passos a levar a cabo na reestruturação da empresa.

O setor da restauração tem sido um dos mais afetados pela pandemia do novo coronavírus. No início do mês, a Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) estimou que a faturação dos restaurantes caiu 60% em outubro, alertando que “insolvências e despedimentos são inevitáveis”.

Por ser uma empresa de tecnologia, a Zomato não tem acesso aos apoios específicos que têm sido criados pelo Governo para apoiar o setor da restauração. Mas a empresa mantém uma elevada exposição ao setor, o que explica em parte as dificuldades que agora vive.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Zomato Portugal prepara cortes na equipa e vai ter nova estrutura acionista

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião